Brasil
  • (3) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Metroviários de SP pedem cancelamento de demissões por fim de greve Uma assembleia está marcada para a tarde desta segunda-feira para definir o rumo da greve

Estado de Minas

Publicação: 09/06/2014 15:21 Atualização: 09/06/2014 15:29

O presidente da Federação Nacional dos Metroviários, Paulo Pasin, sinalizou que a manutenção ou não da greve dos metroviários de São Paulo pode ser influenciada pela revogação das demissões anunciadas pelo governo do estado na manhã desta segunda-feira. "Evidentemente a nossa pauta de reivindicação é muito importante. Mas hoje, o sentimento da categoria é a reintegração imediata desses funcionários do metrô que o governo anunciou que estaria demitindo", afirmou.

A categoria tem uma assembleia marcada para as 15h para definir se continua ou não a greve. O encontro ocorrerá na sede da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE/SP), na região central da capital paulista. Estarão presentes representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e da União Geral dos Trabalhadores (UGT). Nova assembleia deverá ocorrer após o resultado dessa negociação. "Vamos aguardar o que vem da negociação, que pode inclusive mudar o quadro do que está acontecendo", declarou Pasin.

O sindicalista ainda não tem dados de quantos foram demitidos ou quem são. "Nós pedimos uma lista (dos demitidos), se é que tem. Até agora estamos nos baseando no número falado à imprensa", disse Pasin. "Eles foram demitidos de maneira abusiva, ilegal, no nosso exercício de direito de greve. A penalidade da greve por abusividade é a multa, mas em hipótese alguma a demissão por qualquer forma", argumentou.

Questionado se deixaria os 12% de aumento reivindicados, Pasin recuou. "Ninguém vai ficar para trás. Nós vamos continuar as lutas, nossas reivindicações, ao longo do tempo. Mas a reintegração é chave". O Metrô anunciou nesta manhã que demitiu 61 metroviários que mantiveram a greve pelo quinto dia consecutivo.

Leia mais notícias em Brasil

Por volta das 13h30, 42 estações de um total de 65 estavam abertas. Operam a linha 1-Azul, entre Saúde e Luz, 2-Verde, entre Ana Rosa e Vila Madalena, e 3-Vermelha, entre Penha e Marechal Deodoro. As linhas 4-Amarela e 5-Lilás estão funcionando normalmente.

Esta matéria tem: (3) comentários

Autor: wagner gomes
Pois que continuem de greve! O governador de São Paulo tem todo o apoio para demitir funcionários ruins que não tem comprometimento com a sociedade. Quantos cidadãos perderam seu empregos por causa da greve?E a multa ao sindicato é mais do que justa e espero que seja efetivamente cobrada! | Denuncie |

Autor: filomena rocha
Direito a greve e' um dos tenets de uma democracia, abuso e bandalheira, destruicao do patrimonio publico ou privado e' crime e nao devem ser tolerados. Se aproveitam que e' na ocasiao da copa para se mostrar, isso e' ridiculo, so denegre o pais e corta o progresso, e' como trair a patria. | Denuncie |

Autor: Anilton Moccio
O presidente da Federação Nacional dos Metroviários Paulo Pasin radicalizou demais, a população já sofreu mais que o necessário, no passado era assim que funcionava, tinham as greves e depois vinham as demissões, é necessário um pouco de radicalismo por parte do governo também. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas