Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Até agora, reforço das Forças Armadas não foi necessário nas manifestações Segundo especialistas, a euforia do futebol é maior do que a revolta e a população apoia as ações policiais

Daniela Garcia - Correio Braziliense

Renata Mariz

Publicação: 15/06/2014 07:25 Atualização: 15/06/2014 07:24

 (Carlos Moura/CB/D.A Press)


Superando as expectativas das secretarias de Segurança Pública, nos primeiros dias de bola rolando na Copa do Mundo, apenas a Polícia Militar foi necessária para conter manifestações pontuais. Nenhum estado, até agora, precisou do reforço das Forças Armadas. De acordo com especialistas, a polícia manteve o controle porque o público dos protestos foi muito pequeno. O governo federal também avalia que o começo do megaevento transcorreu com “normalidade”, e a expectativa do Planalto é que as manifestações diminuam conforme a equipe canarinho avance no torneio. Mas, apesar do clima de tranquilidade, confusões pontuais ocorreram em pelo menos cinco cidades sedes — São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Salvador e Belo Horizonte. Ontem, 11 pessoas foram detidas na capital mineira em protesto.

Segundo o Ministério da Defesa, nenhum governador requisitou o reforço das forças de contingência. Vinte e um mil militares foram colocados à disposição das unidades da Federação em caso de tumulto. Para o sociólogo do Observatório Internacional da Democracia Participativa Rudá Ricci não se pode ignorar os recentes confrontos. Na última quinta-feira, durante a abertura do Mundial, em São Paulo, o batalhão de choque da PM usou balas de borracha e bombas de gás para dispersar manifestantes na Radial Leste e na estação do metrô Tatuapé — principais vias de acesso ao Itaquerão. “A última coisa que a PM pode fazer é encurralar pessoas em locais fechados. Isso gera pânico e é a principal causa de pisoteamento com mortes em grandes multidões”, criticou.

Na avaliação do governo federal, a atuação da polícia paulista foi correta no sentido de garantir o acesso dos torcedores ao estádio. “O que a PM fez foi evitar a qualquer custo que a manifestação impedisse o direito de quem queria torcer”, comenta o ex-secretário nacional de Segurança Pública coronel José Vicente da Silva. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse que a Polícia Militar “agiu como é seu dever” e “evitou um problema maior” nas ações contra manifestantes.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas