Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Prefeitura paulistana vai usar represas no transporte de passageiros De acordo com a justificativa no Projeto de Lei, em torno de 2 milhões de pessoas podem ser beneficiados pelo transporte hidroviário

Agência Brasil

Publicação: 18/06/2014 18:53 Atualização:

A Lei 16.010/14, sancionada pelo prefeito Fernando Haddad, na semana passada, permite o uso de barcos para transporte de passageiros nas represas e rios que abastecem a Grande São Paulo como forma de reduzir o tempo em trajetos que atualmente demoram até duas horas para serem percorridos, quando poderiam ser feitos em 20 ou 30 minutos, de acordo com o vereador Ricardo Nunes (PMDB), autor da proposta que cria o Sistema Hidroviário de Transportes do Município.

De acordo com a justificativa no Projeto de Lei, em torno de 2 milhões de pessoas podem ser beneficiados pelo transporte hidroviário, que será integrado às estações do metrô, à Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e aos terminais de ônibus, com bilhete único, vai contribuir para desafogar o trânsito de São Paulo. A ideia é iniciar a implantação pela Represa de Guarapiranga, contemplando a seguir a Represa Billings e os rios Pinheiros e Tietê.

Leia mais notícias em Brasil

Segundo informações da assessoria de imprensa do vereador, o projeto determina que partindo da Represa Billings sejam criadas hidrolinhas interligando o Rio Pinheiros às estações da CPTM. A primeira estação seria Jurubatuba, seguindo-se as estações do Socorro e de Santo Amaro, dali interligando com as linhas de trens, ônibus, e metrôs.

Da Represa Guarapiranga podem sair outras hidrolinhas para transporte de quem mora ás margens da marginal Guarapiranga, nos distritos de M’Boi Mirim e Campo Limpo; dos bairros Jardim Ângela, São Luis, Jardim Vera Cruz, Grajaú, Capão Redondo, Marsilac e Parelheiros. A estimativa é de que cada embarcação transportaria cerca de 100 a 200 passageiros.

Elaborada a partir de estudos com o apoio do grupo Metrópole Fluvial e da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, a Lei 16.010 devbe ser regulamentada nos próximos 60 dias, determinando como o projeto será implantado e quem financiará as obras. As possibilidades em análise são a implementação via Parceria Público-Privada ou a concessão para instalação de portos e embarcações, sem custos para o município.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas