Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Estoque de sangue do Inca baixou desde o inicio da Copa do Mundo "As pessoas estão envolvidas em participar, assistir aos jogos da Copa e deixam de comparecer para as doações. As atividades hospitalares continuam da mesma forma", diz chefe do Serviço de Hemoterapia

Agência Brasil

Publicação: 30/06/2014 15:14 Atualização:

O Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) registrou queda de 50% nos estoques de sangue, devido ao baixo comparecimento de doadores ao hospital no período da Copa do Mundo. O Instituto faz a partir desta segunda-feira (30/6) e vai até sábado (5/7), uma campanha para normalizar os níveis de doação de sangue durante o Mundial de Futebol.

A chefe do Serviço de Hemoterapia do Inca, Iara Motta destacou que é grande a dificuldade para conseguir doadores em períodos de grandes eventos no Brasil. Segundo ela, 50 pessoas doam sangue diariamente – quando o ideal seria 80. Na Copa este número caiu para 25.

“As pessoas estão envolvidas em participar, assistir aos jogos da Copa e deixam de comparecer para as doações. As atividades hospitalares continuam da mesma forma. Os pacientes continuam sendo submetidos as transfusões. Antes dos eventos a gente sensibiliza, chama a população e alerta. Mas nem sempre temos o retorno esperado”, disse.

Leia mais notícias em Brasil

Iara observou que a proximidade das férias, que ocorrem no mês de julho aumenta a necessidade de doações de sangue. “Nós aproveitamos este [momento] para fazer a chamada. A nossa preocupação é tembém com este feriado na sexta-feira (4) [feriado municipal no Rio], próximo ao fim de semana. Já pensou o Brasil na final? Aí que as pessoas vão surtar mesmo. Vão ficar mais envolvidas”.

O Inca faz, anualmente, cerca de 90 transplantes de medula óssea, 8.500 cirurgias, 42 mil atendimentos em quimioterapia e 73 mil atendimentos em radioterapia. Para que estes procedimentos sejam efetuados, o Instituto precisa de fazer mais de três mil transfusões de sangue por mês.

A dona de casa Dalva da Costa, de 63 anos, disse que, normalmente, doa sangue no Instituto estadual de Hematologia Arthur de Siqueira Cavalcanti (Hemorio), mas desta vez foi ao Inca para ajudar um amigo que precisa de doação de sangue.

“ Acho que é muito importante para a vida de qualquer pessoa. A gente tem que pensar no semelhante. A doação é importante para salvar a vida de uma pessoa. Às vezes salva até três pacientes. Você não sabe se vai precisar alguma vez também”, concluiu.

Podem doar sangue as pessoas entre 16 e 69 anos com mais de 50 quilos,menores de 18 anos de idade precisam de consentimento do responsável legal; não é necessário estar em jejum; evitar alimentos gordurosos nas três horas que antecedem a doação. Pessoas com febre, gripe, resfriado, grávidas e com tatuagens não podem doar sangue temporariamente.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas