Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Doleiro Alberto Youssef não vai depor no Conselho de Ética da Câmara A decisão do juiz federal Sérgio Moro, segundo assessores do conselho, foi baseada no que a Justiça define como "economia processual", pois o doleiro garantiu que não irá se pronunciar sobre o assunto

Agência Brasil

Publicação: 01/07/2014 13:01 Atualização:

O presidente do Conselho de Ética da Câmara, Ricardo Izar (PSD-SP), e o relator do processo contra André Vargas, deputado Júlio Delgado (PSB-MG), devem anunciar nesta terça-feira (1º/7) se adotarão nova estratégia para contornar a ausência do doleiro Alberto Youssef no depoimento previsto para quarta-feira (2/7). Youssef, que está preso em Curitiba, seria ouvido por videoconferência, mas a Justiça Federal do Paraná atendeu a pedido da defesa e cancelou a oitiva.

Youssef seria ouvido por videoconferência (Carlos Moura/CB/D.A Press)
Youssef seria ouvido por videoconferência

A decisão do juiz federal Sérgio Moro, segundo assessores do conselho, foi baseada no que a Justiça define como “economia processual”, pois o doleiro garantiu que não irá se pronunciar sobre o assunto. Youssef foi indicado como testemunha tanto pela relatoria do colegiado quanto pela defesa de Vargas.

Os parlamentares do conselho só devem falar sobre o assunto durante a reunião de hoje, marcada para as 15h, quando o colegiado ouvirá o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) - o primeiro a ser inquirido no caso de suspeita de envolvimento de Vargas com Youssef.

Leia mais notícias em Política

O conselho ainda deve manter para amanhã os depoimentos dos donos do laboratório Labogen, Leonardo Meireles e Esdras Ferreira, suspeitos de ter conseguido contrato com o Ministério da Saúde a partir de um pedido de Vargas. Até o próximo dia 4, o colegiado também espera receber informações de Bernardo Tosto, proprietário da aeronave usada por Vargas e fretada pelo doleiro Alberto Youssef. Ele pediu para responder por escrito.

Com essas oitivas concluídas, o relator do processo começará a convocar as testemunhas indicadas pela defesa. O deputado vem reiterando que vai cumprir os prazos definidos pelo regimento e tentar concluir e votar o relatório sobre o caso antes do início do recesso parlamentar, marcado para 17 de julho.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas