Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Ativistas de Porto Alegre são processados e denunciam criminalização Eles informaram que participantes de mobilizações na cidade tornaram-se réus de processos judiciais que os apontam como participantes de grupos criminosos

Agência Brasil

Publicação: 03/07/2014 23:20 Atualização:

Um ato reuniu nesta quinta-feira (3/7) integrantes de movimentos sociais, em Porto Alegre, para denunciar a criminalização dos movimentos. Por meio de vídeos e debate público, eles informaram que participantes de mobilizações na cidade, a exemplo das que reivindicaram a redução da tarifa de transporte, em junho do ano passado, tornaram-se réus de processos judiciais que os apontam como participantes de grupos criminosos e de atos como furto e uso de artefato explosivo.

O processo judicial 00121300450132, que tramita na 9ª Vara Criminal do Foro Central, chamou a atenção do Bloco de Lutas pelo Transporte Público, articulação de coletivos que teve vários de seus integrantes citados judicialmente. De acordo com Rodrigo Brizola, seis dos sete réus são ativistas. Ele e Alfeu Neto integram o Movimento Autônomo Utopia e Luta, Gilian Dias faz parte do PSTU, José Vicente e Matheus Gomes integram o grupo Resistência Popular e Lucas Boni é militante do PSOL.

O sétimo nome citado no processo, Guilherme da Silveira Souza, não foi identificado pelos movimentos sociais, e é a partir do relato dele, segundo Brizola, que os demais são incriminados. “A grande questão é que acusam esse Guilherme de ter furtado, inclusive tem uma parte [do processo] que ele confessa, não sabemos em quais condições, que teria participado de furto de secadores, e a partir dessa colocação é que há a invenção jurídica de que existe uma articulação para cometer crimes”, explica.

Leia mais notícias em Brasil

Inicialmente, o processo apontou que eles formariam uma milícia particular, acusação que foi negada por falta de provas, assim como a de dano ao patrimônio e furto. Permanecem, contudo, as acusações de associação criminosa e outras, como uso de explosivo. “Na nossa visão, isso é insustentável, no sentido de que todos os depoimentos são de policiais militares e de um jornalista do grupo RBS”, detalha Brizola. Para ele, “há um caráter político no processo, que criminaliza e generaliza as ações”.

A íntegra do processo não está disponível ao público. Apenas as movimentações processuais e a síntese de algumas decisões podem ser lidas, no site do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. A Agência Brasil tentou falar com os juízes que analisaram o caso, mas não teve retorno até a publicação desta matéria.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas