Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Permanência de militares na Maré após julho não está definida, diz Pezão O prefeito afirmou que a Maré, comparada a outras favelas, é um complexo com mais infraestrutura e até a chamou de "bairro popular".

Agência Brasil

Publicação: 08/07/2014 14:37 Atualização:

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, disse nesta terça-feira (8/7) que ainda não está definido se pedirá à presidenta Dilma Rousseff para que as forças armadas permaneçam no Complexo da Maré, onde estão desde 5 de abril. O decreto de Garantia da Lei e da Ordem que determinou a ida dos militares para a região da zona norte do Rio termina no dia 31 de julho.

"Estamos vendo. Ainda vou conversar com a presidenta Dilma. Até o dia 31 de julho eles estãrão lá", disse Pezão. Desde a entrada das forças de segurança no complexo, que tem 129 mil habitantes, a previsão do governo é de que a Unidade de Polícia Pacificadora seja instalada neste semestre.

Junto com o prefeito do Rio, Eduardo Paes, o secretário estadual de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, e o comandante militar do Leste, general Francisco Carlos Modesto, Pezão se reuniu hoje com lideranças do complexo para ouvir demandas dos moradores. Beltrame e as autoridades militares presentes saíram mais cedo, sem falar com a imprensa. O prefeito afirmou que a Maré, comparada a outras favelas, é um complexo com mais infraestrutura e até a chamou de "bairro popular".

"Maré não é uma favela, é um bairro popular. Boa parte dela está totalmente urbanizada e com grande quantidade de serviços públicos se comparada a outras comunidades", disse Eduardo Paes. Entre as demandas apresentadas pelos moradores estão mais serviços públicos, como creches, clínicas da família, e centros de formação profissional, além de melhora no serviço de coleta de lixo.

Leia mais notícias em Brasil

Na saída da reunião, Paes também comentou a proibição da imagem do Cristo Redentor no filme Rio, Eu te amo, do diretor brasileiro José Padilha, que foi noticiada hoje pelo jornal O Globo. O prefeito afirmou que vai se inteirar melhor na questão e possivelmente interceder para que a Arquidiocese do Rio não impeça a exibição de um dos dez segmentos do filme, que faz parte da franquia Cities of love, em que várias histórias compõem uma declaração de amor a cidades como Nova York e Paris.

Na parte considerada inadequada pela Igreja, segundo a reportagem, um personagem de Wagner Moura conversa com o Cristo enquanto voa de asa-delta. "Vou ligar para o Padilha hoje, e eventualmente interferir junto a Dom Orani (Arcebispo do Rio). Tudo tem limites. O Cristo, a estátua, é um patrimônio da Arquidiocese, mas é um símbolo do Brasil, do Rio de Janeiro. Eu não vou cobrar para a Igreja começar a usar o Pão de Açúcar, que é território da Prefeitura do Rio de janeiro", disse o prefeito, que completou: "Não é possível que a gente tenha esses vetos e censuras. Mas preciso me informar melhor". A Agência Brasil não conseguiu entrar em contato com a Arquidiocese do Rio.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas