Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Remédio para tuberculose em falta reforça importância de produção nacional Houve registros de desabastecimento da droga em São Paulo

Renata Mariz

Julia Chaib

Publicação: 10/07/2014 06:00 Atualização: 09/07/2014 23:40

Para Dráurio Barreira, a produção em território nacional é fundamental (Alesp/Divulgação)
Para Dráurio Barreira, a produção em território nacional é fundamental


Problemas recentes de distribuição do remédio para tratar a tuberculose, um composto de quatro antibióticos que só é fornecido pela rede pública de saúde, tornam cada vez mais urgente que o Brasil tenha produção independente do medicamento. Segundo Carlos Brasília, coordenador do Observatório Tuberculose Brasil, vinculado à Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), houve registros de desabastecimento da droga em São Paulo. Isso ocorre três meses depois de os municípios do Rio de Janeiro e de Petrolina (PE) terem passado por situação semelhante. Basília afirma também que um dos testes usados para fazer o diagnóstico da doença está em falta.

O coordenador do Programa Nacional de Controle da Tuberculose, Dráurio Barreira, esclarece que, em março, um lote do medicamento distribuído pelo governo federal próximo do prazo da validade, com o aviso sobre a necessidade de ser distribuído rapidamente, enfrentou lentidão para chegar a algumas unidades de saúde do Rio e de Petrolina. Sobre São Paulo, ele diz que houve uma “ameaça de desabastecimento”, sem registro de falta de remédio. Barreira considera importante, entretanto, que o Brasil produza a droga. “A rifampicina é um antibiótico que precisa ser fabricado em condições especiais, em um local exclusivo. Nosso desafio é esse”, afirma.

Leia mais notícias em Brasil

Sobre a produção interna do medicamento, de acordo com Barreira, a tecnologia e os insumos não são o problema. O que falta é encontrar um local exclusivo para processar a rifampicina, um dos ingredientes da droga, crucial no tratamento de 80 mil pacientes. Segundo ele, o Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos), da Fiocruz, vem tentando fazer uma parceria com o Laboratório Químico Farmacêutico do Exército ou com outra instituição pública do setor para fabricar a rifampicina. Até dois anos atrás, o principal empecilho para produzir o composto usado contra a tuberculose no Brasil era uma resolução da Anvisa que proibia a junção de quatro drogas em uma mesma apresentação. Devido à necessidade de se fazer o remédio para a doença, essa regra caiu.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas