Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Match diz que prisão de Ray Whelan foi arbitrária e ilegal A empresa também criticou o vazamento de fragmentos de conversas telefônicas entre Whelan e o franco-argelino Lamine Fofana, suspeito de ser um dos chefes de um esquema de venda ilegal de ingressos

Agência Brasil

Publicação: 10/07/2014 08:55 Atualização:

A empresa Match Services, que detém direitos exclusivos sobre a comercialização de pacotes de hospitalidade (que inclui ingressos e serviços VIP) da Copa do Mundo, divulgou nota em que considera a prisão de seu diretor, o britânico Raymon Whelan, “arbitrária e ilegal”. Whelan foi preso na Operação Jules Rimet, da Polícia Civil, que investiga a venda ilegal de ingressos da Copa, no último dia 7.



O executivo da empresa, associada à Federação Internacional de Futebol (Fifa), acabou sendo solto por determinação da Justiça fluminense na madrugada do dia seguinte. Segundo a nota da Match, “a polícia está fazendo suposições sem uma investigação apropriada e sem o mínimo entendimento de como realmente funciona o sistema de venda de ingressos e pacotes de hospitalidade".

A empresa também criticou o vazamento de fragmentos de conversas telefônicas entre Whelan e o franco-argelino Lamine Fofana, suspeito de ser um dos chefes de um esquema de venda ilegal de ingressos para a Copa 2014. Sobre as conversas, a Match informou que não há evidências de qualquer crime no diálogo entre os dois.

A Match também considerou ilegal o vazamento de “escutas privadas de conversas de Ray”. A empresa diz que a Polícia Civil não quer passar informações sobre os 83 ingressos e pacotes de hospitalidade apreendidos no quarto de Whelan, no Hotel Copacabana Palace, na zona sul do Rio.

Leia mais notícias em Brasil

A nota informa ainda que a Match está disposta a enviar registros de negociações da empresa para a polícia, a fim de provar a inocência de Whelan.

A Polícia Civil encaminhou ontem (9) ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MP-RJ) o relatório final do inquérito da Operação Jules Rimet, que indicia 12 pessoas por cambismo (venda ilegal de ingressos) e associação criminosa. Foram pedidas as prisões preventivas de 11 delas, entre os quais a de Raymond Whelan.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas