Brasil
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Aumenta em 60% número de estudantes que entram na universidade aos 17 anos Levantamento do Ministério da Educação mostra que, mesmo sem completar o ensino médio, adolescentes ingressam em cursos superiores

Daniela Garcia - Correio Braziliense

Publicação: 03/08/2014 08:02 Atualização:

Entre tantas incertezas da época da adolescência, Thiago Machado da Costa, aos 16 anos, tinha uma convicção. “Eu queria fazer o curso de física”, recorda. Ainda faltavam quatro meses para concluir o 3º ano do ensino médio, quando ele passou no vestibular do meio do ano da Universidade de Brasília (UnB). Para garantir a matrícula na instituição, Thiago tinha que apresentar o diploma de conclusão da escola. Fez um teste no colégio que estudava e, assim, provou que estava pronto para entrar no ensino superior. Hoje, aos 22 anos, ele terminou o mestrado em licenciatura em física há um mês e afirma que está longe de ser reconhecido como um garoto de altas habilidades. “Sou o resultado do esforço dos meus pais e da minha vontade”, afirma.

A presença de universitários precoces como Thiago é uma tendência crescente nas instituições de ensino superior do Brasil. Segundo dados do Ministério da Educação (MEC), a quantidade de jovens que ingressaram aos 17 anos aumentou 60%, entre 2009 e 2012. O levantamento foi feito pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), a pedido do Correio, com base nos censos escolares do ensino superior em que foram consideradas as faixas etárias dos calouros.

Leia mais em Política


A tendência de ingresso cada vez mais precoce na universidade pode ser percebida na família de Thiago. O irmão do meio, Cássio Matheus Machado da Costa, 20 anos, também garantiu uma vaga na Faculdade de Turismo da UnB, antes de completar o 3º ano do ensino médio. No entanto, para ser aceito no curso, teve mais dificuldades de conseguir o diploma de conclusão da escola. Desde dezembro de 2010, o Conselho de Educação do Distrito Federal impede que as escolas façam provas de avanço escolar para alunos que não tenham 18 anos completos ou que não tenham cursado 75% do ensino médio. Desde então, Thiago se engajou na causa para defender o irmão, que conseguiu o diploma por meio de ação judicial. E o mestre em física avisa que a caçula de 15 anos deve seguir o mesmo caminho.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Tags:

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: Fernando soares
Isso tudo é para favorecer a indústria das liminares. Quem tem dinheiro paga Advogado e o Juiz manda fazer o adiantamento. Esse conselho é uma vergonha. Quem passou no vestibular é porque é capaz e está impedido de entrar na faculdade enquanto outros entram por ordem da justiça. Vergonha. | Denuncie |

Autor: HERMES DE S.CAVALCANTE
No DF o conselho de educação é contra a antecipação da graduação do segundo grau. É preciso acionar a justiça. Mas há exceção quando o aluno cursa o segundo grau nos colégios militares do bombeiro e Militar, porquê são federais. Quem está certo? Quem está errado? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas