Brasil
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Primeira concessão de ferrovia do governo está em fase de ajuste A afirmação é do ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos. A ferrovia que liga Lucas do Rio Verde (MT) e Campinorte (GO) tem 883 quilômetros e previsão de R$ 5,4 bilhões em investimentos

Agência Brasil

Publicação: 21/08/2014 14:43 Atualização: 21/08/2014 14:47

O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, disse nesta quinta-feira (21/8) que o edital para a primeira concessão ferroviária do governo, a Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico), ligando Lucas do Rio Verde (MT) e Campinorte (GO), já está “em fase de sintonia fina” para ser publicado. Com 883 quilômetros, o trecho tem uma previsão de R$ 5,4 bilhões em investimentos. De acordo com o ministro, a implantação do trecho será de grande relevância para o escoamento da produção de grãos na Região Centro-Oeste.

Essa será a primeira licitação de trecho ferroviário do Programa de Investimentos em Logística (PIL), lançado em agosto de 2012. O programa prevê concessão para a construção de 11 mil quilômetros de ferrovias no país. “Temos clareza da necessidade de atrair o setor privado para investir no setor”, disse Passos. Para isso, acrescenta ele, ainda é necessária uma melhoria no setor regulatório, de forma a modernizar e organizar o sistema.

De acordo com o ministro, o edital será publicado “tão logo consigamos ajustar e aplainar todos aspectos que são reivindicados ou que possam significar algum tipo de dúvida no setor privado”. O objetivo, segundo explicou, é garantir segurança para a licitação. Ele falou sobre o edital após participar do seminário Brasil nos Trilhos, organizado pela Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros sobre Trilhos (ANPTrilhos) e a Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF).

Leia mais notícias em Brasil

Segundo o ministro, o governo tem identificado interesse de grupos estrangeiros em investir no setor. “Só a partir de Mato Grosso, teremos de exportar cerca de 50 milhões de toneladas”, disse o ministro. “O governo chinês também tem manifestado muito interesse em se tornar parceiro do Brasil para fazer investimentos no setor”, acrescentou.

Também sob a justificativa de ter de continuar a dialogar com o setor privado, o trem de alta velocidade (TAV ou Trem Bala), que ligará Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas, acabou tendo seu cronograma atrasado. “Devíamos ter feito, em agosto do ano passado, uma licitação”, disse Passos, “mas o governo acatou pedido dos empresários para prorrogar o leilão”.

De acordo com o ministro, a Empresa Brasileira de Logística (EPL) tem feito um “refinamento do traçado do TAV, buscando obter ganhos” para o projeto. “Há um aspecto de inovação do transporte e da tecnologia. E o Brasil tem o dever de trabalhar para tornar isso uma responsabilidade”, disse o ministro.

O Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu, em fevereiro deste ano, liberar o governo para publicar o edital de concessão da ferrovia, desde que fossem atendidas algumas determinações, entre elas a revisão do cálculo de custo pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). O modelo de licitação que será adotado prevê que o concessionário do trecho será dissociado do responsável pelo transporte.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas