Brasil
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

MP de São Paulo apura rede de apoio do médico Roger Abdelmassih Ao menos cinco pessoas devem ser indiciadas por ajudar na fuga e na manutenção no exterior de Roger Abdelmassih, entre elas, a mulher dele, Larissa Sacco, considerada foragida. Prisão incentivou a denúncia de novas vítimas

Julia Chaib

Publicação: 22/08/2014 07:43 Atualização:

Ao ser detido no Paraguai, Roger Abdelmassih chorou ao falar dos filhos. Ele passará entre 10 e 30 dias em cela isolada no presídio de Tremembé (Senad/Reuters)
Ao ser detido no Paraguai, Roger Abdelmassih chorou ao falar dos filhos. Ele passará entre 10 e 30 dias em cela isolada no presídio de Tremembé

Pelo menos cinco pessoas são consideradas suspeitas de facilitarem ou serem cúmplices da fuga de Roger Abdelmassih, 70 anos, para o Paraguai e devem ser indiciadas pelo Ministério Público de São Paulo. Faz parte da lista a mulher dele, Larissa Sacco, 37 anos. Ontem, a Interpol emitiu alerta para que países parceiros investiguem o paradeiro da ex-procuradora da República, desaparecida desde a prisão do marido, na última terça-feira, em Assunção. Condenado a 278 anos de prisão em 2010, Abdelmassih é acusado de 56 estupros contra 39 mulheres. Ele foi detido na capital paraguaia e passou as últimas duas noites no Presídio de Tremembé (SP), em uma cela isolada.

A repercussão da prisão de Abdelmassih, na última terça-feira, mobilizou novas vítimas a relatarem outros casos. A Delegacia de Defesa da Mulher em São Paulo recebeu três ligações e uma declaração efetiva de uma mulher que diz ter sido abusada pelo menos duas vezes pelo médico enquanto estava sedada. Ela fez três tentativas de engravidar, sendo a última em 2001. “Ela desconfiou quando acordou da sedação e viu o médico em cima dela”, conta a delegada Celi Paulino. Com esta, sobe de 26 para 27 o número de denúncias de estupro que constam em outro inquérito movido contra o homem que já foi considerado o “papa da reprodução assistida no Brasil”.

Leia mais notícias em Brasil

De acordo com o promotor do Ministério Público de São Paulo Luiz Henrique Dal Poz, o desafio agora é desmontar a rede que possibilitou a fuga e a permanência de Abdelmassih no Paraguai. Para Dal Poz, o suporte financeiro do ex-médico vinha do Brasil. “Já (o suporte) do anonimato, da clandestinidade, pode ter alguém no Paraguai envolvido”, acredita. Na quarta-feira, o ministro antidrogas do país vizinho, Luis Alberto Rojas, afirmou que o ex-médico tem contatos influentes, desde políticos, policiais corruptos até dirigentes de futebol.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: FRANCISCO LUSTOSA
Com certeza deve ter muito caroço em baixo desse angu. Quais motivos levam uma moça nova, bonita e bem-sucedida manter um relacionamento com um criminoso desse naipe? Acorda MP! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

PUBLICIDADE

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas