Brasil
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Rebelião em presídio de Cascavel (PR) acaba após mais de 40 horas Motim em Cascavel durou mais de 40 horas e deixou saldo de cinco pessoas mortas. Deles, dois detentos foram decapitados e outros dois jogados do telhado

Julia Chaib

Publicação: 26/08/2014 10:20 Atualização: 26/08/2014 14:48

Policiais no terraço da penitenciária de Cascavel: saldo de cinco mortos (CGN/Divulgação)
Policiais no terraço da penitenciária de Cascavel: saldo de cinco mortos

Após mais de 40 horas, a rebelião na penitenciária de Cascavel, no Paraná, acabou por volta de 3h30 desta terça-feira (26/8). O motim havia começado no último domingo, por volta das 6h. Dois agentes penitenciários que eram feitos reféns, foram libertados nesta madrugada. De acordo com a Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos do Paraná (Seju), cinco pessoas foram mortas na rebelião, sendo dois decapitados.

A rebelião começou no último domingo enquanto os agentes penitenciários distribuíam o café da manhã. Foram mais de 30 horas de negociação com os detentos para por fim ao motim. Segundo o Departamento de Execução Penal (Depen), os detentos pediam relaxamento nas visitas, mais diálogo com a direção da unidade e melhoria na qualidade das refeições. A reivindicações, entretanto, ainda não estava claras até o início da noite de ontem. Havia também a suspeita de que uma briga de facções teria motivado o movimento.

Em nota, a Sejus informou que a transferência de 851 presos da penitenciária de Cascavel para outras unidades penais do estado. "O critério adotado foi o de manter presos provisórios ainda não sentenciados numa galeria da PEC e transferir para a Penitenciária Industrial de Cascavel os presos que, em tese, já cumpriram o requisito objetivo para progressão de regime ou devem completar o lapso temporal em 2014." No momento da rebelião, segundo o Depen, havia 1.044 detentos no presídio com capacidade para abrigar 1.116 presos.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Paulo Costa
Pq não mandaram os letrados "doutores" da OAB/do MP, os "letrados" dos Direitos Humanos, os Juízes e todo aquele pessoal q condenou os policiais do Carandiru p/ "dialogarem" com esses coitados e "angelicais" presidiários. Afinal, os policiais são "truculentos" e "violentos" segundo seus julgamentos. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas