Bolívia pedirá ao Brasil ações contra violência na fronteira

"Vamos pedir uma reunião do mais alto nível com as autoridades do Brasil para poder acertar medidas conjuntas", anunciou o ministro de Governo (Interior), Carlos Romero, sem mencionar as propostas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/10/2016 23:07

A Bolívia solicitará ao Brasil ações para deter a violência na fronteira comum, após o assassinato de quatro bolivianos por brasileiros em um suposto caso de narcotráfico, informaram as autoridades nesta sexta-feira.

"Vamos pedir uma reunião do mais alto nível com as autoridades do Brasil para poder acertar medidas conjuntas", anunciou o ministro de Governo (Interior), Carlos Romero, sem mencionar as propostas.

Romero recordou outros crimes na região de fronteira: "temos problemas em muitos lugares limítrofes com o Brasil, o caso de San Matías é o mais significativo, mas também há sequestros em Cobija e em outros locais, como Guayaramerín".

Brasil e Bolívia compartilham uma fronteira comum de 3.133 quilômetros.

 

Leia mais notícias em Brasil


A gota d'água foi o crime da noite desta quinta-feira, em San Matías (departamento de Santa Cruz), com a execução de quatro bolivianos "em um ato de vingança possivelmente vinculado ao tráfico de drogas", declarou Romero.

Segundo as primeiras investigações, os assassinos são "supostamente brasileiros" que dispararam armas de fogo matando quatro pessoas e ferindo outras três, na residência de uma das vítimas.

Romero destacou que Bolívia e Brasil têm "uma agenda dedicada à luta contra o narcotráfico", mas admitiu que o incidente - que revoltou a população de San Matías - reforça a necessidade de se "adotar medidas de maneira conjunta". "Agindo de forma isolada não teremos sucesso".

A Bolívia é um dos três principais produtores de cocaína do mundo, atrás de  Colômbia e Peru, enquanto o Brasil é um importante ponto de passagem e de consumo da droga.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.