SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Alckmin volta a criticar ocupações: 'Tira o direito de quem quer estudar'

Ele voltou a defender a forma de atuação da Polícia Militar no Estado, que tem agido sem mandado judicial para desocupar as unidades

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/11/2016 15:07 / atualizado em 04/11/2016 15:12

Em evento nesta sexta-feira (4/11), no Palácio dos Bandeirantes, na zona sul de São Paulo, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), criticou as ocupações estudantis

"Nós temos dois balizamentos. Um é sempre estar aberto ao diálogo, ouvir, discutir. Aliás, sobre a reforma do ensino médio, vamos ouvir professores, alunos, pais de alunos para dialogar", disse Alckmin. "Agora, a ocupação é um problema porque você tira o direito de quem quer estudar, você tira o direito de professor que quer dar aula. Temos Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) agora domingo, então você prejudica alunos que estão saindo para fazer a faculdade, que querem entrar em uma universidade pública."

 

Leia mais em Brasil

 

Ele voltou a defender a forma de atuação da Polícia Militar no Estado, que tem agido sem mandado judicial para desocupar as unidades, como ocorreu nesta quinta-feira (3/11), no Centro Paula Souza, no centro da capital.

"São Paulo tem tido esse cuidado de ter tido o diálogo. A Procuradoria-Geral do Estado já deu o parecer pela autotutela e isso foi confirmado pelo Tribunal de Justiça", acrescentou.

 

Por Agência Estado

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Welbi
Welbi - 04 de Novembro às 16:15
A ação da PM ontem no Centro Paula Souza foi perfeita. Rápida e sem confronto. Não deixou os invasores se instalarem e provocar danos ao patrimônio. A modinha das invasões de escolas já passou dos limites. Não existem motivos para isso. São apenas militantes partidários seguindo ordens do PT, PCdoB e Psol agindo para tentar colocar a população contra os governos Alckmin e Temer.