SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

"Coxinha é amor", diz criadora de buquê do salgado que é o maior sucesso

A empresária Dircilene saiu do desemprego e virou dona do próprio negócio com a invenção

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/11/2016 22:20 / atualizado em 14/11/2016 22:30

Fernando Jordão - Especial para o Correio /

Facebook/Reprodução
Parafraseando o poeta Dorival Caymmi, quem não gosta de coxinha, bom sujeito não é. Muitas pessoas podem ser alérgicas ou mesmo não gostar de flores. Mas quem resistiria a um buquê recheado dessas iguarias da mais alta gastronomia botequeira? Se você pensa que isso só pode ser um sonho, temos boas notícias: o buquê de coxinha é uma realidade. Uma paranaense foi a responsável por dar forma a essa - possível e provável - oitava maravilha do mundo.

De acordo com a, agora, empresária Dircilene Ventura, de 42 anos, a ideia de fazer o buquê foi do filho, Eduardo Ventura Filho, de 16. Ele explicou que a namorada gostava muito de coxinha e que ele havia prometido dar um buquê do salgado para ela quando eles completassem cinco meses de namoro. Eu disse que isso não existia, mas ele respondeu que a gente daria um jeito", afirma.
 
 
A namorada de Eduardo, Evelyn, aprovou o presente. Uma prima de Dircilene - que ficou sabendo da história - também gostou tanto do resultado que convenceu a autora a postar uma foto de sua obra de arte em um grupo voltado para mulheres no Facebook. "Eu que não teria graça nenhuma, mas acabei postando, contando a história, mostrando o que uma mãe não faz por um filho. Publiquei por volta das 21h30. À 1h, já tinha mais de três mil curtidas. No dia seguinte, já eram mais de seis mil”, lembra.

Facebook/Reprodução


A partir daí, começaram a chover pedidos e Dircilene, que estava desempregada desde julho, e viu uma oportunidade de criar seu próprio negócio. “Nem tinha ideia de quanto ia cobrar por cada um. Fiz a postagem no domingo e na quinta-feira já estava fazendo a primeira entrega. Depois, não parei mais. Faço, em média, quatro buquês por dia e toda hora chegam novos pedidos por ligação, Whatsapp e mensagem no Facebook. Eu era desempregada. Agora, sou dona da minha própria empresa”, celebra a mulher que cobra R$ 50 por cada buquê com 30 coxinhas.

Dircilene diz que “nem sonhava” com tamanha repercussão. O sucesso é tão grande que ela já é até reconhecida nas ruas de Curitiba. “Fui fazer a entrega de um buquê para um empresário. Na entrada do prédio, o pessoal veio pedir para tirar foto comigo. Ele [o presenteado] ficou com muita vergonha, mas agradeceu. Depois, a mulher dele me ligou dizendo que ele tinha amado o presente”, conta. Com a fama já conquistada, Dircilene tem o desejo de expandir seu negócio e revela, inclusive, já ter recebido propostas de parcerias para levar o produto a outros estados. Casada, ela não titubeia ao ser questionada se preferia receber um buquê de flores ou de coxinha: “De coxinha é muito melhor. Coxinha é amor”, finaliza aos risos.


publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade