SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Cunhado confessa ter matado sobrinha-neta de Sarney no Maranhão

A jovem foi encontrada com sinais de asfixia em cima da cama, sem roupas e com um travesseiro sobre o rosto em sua residência

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/11/2016 17:27 / atualizado em 16/11/2016 17:45

Correio Braziliense

Reprodução/ YouTube
O empresário Lucas Porto confessou ter matado a cunhada, a publicitária Mariana Costa, 33 anos, por asfixia. O caso ocorreu na tarde do último domingo (13/11) e o crime teve motivação passional, de acordo com a polícia maranhense. Mariana não correspondia aos sentimentos de Lucas, ainda de acordo com os investigadores. O corpo da jovem, que é sobrinha-neta do ex-senador José Sarney, foi encontrada com sinais de asfixia, em cima da própria cama, sem roupas e com um travesseiro sobre o rosto.  

De acordo com o delegado-geral do estado do Maranhão, Lawrence Melo, Lucas procurou a polícia acompanhado do advogado e confessou o crime. O delegado disse que o empresário afirmou que Mariana jamais correspondeu aos sentimentos do cunhado e que esse teria sido o motivo do homicídio.

 

Leia mais em Brasil

 

Reprodução/ Facebook

 

A polícia disse ao jornal O Imparcial, do mesmo grupo de comunicação do Correio, que as provas materiais eram irrefutáveis, uma vez que a gravação das câmeras de segurança não mostraram nenhuma outra pessoa tendo acesso ao apartamento da vítima no dia do crime.

Mariana Costa era casada e mãe de duas filhas. A jovem era sobrinha-neta do ex-presidente da república José Sarney e filha do ex-deputado estadual, Sarney Neto.

 

Com informações de O Imparcial

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Sonia
Sonia - 17 de Novembro às 07:59
Mais um crime cruel contra as mulheres independente de ela ser neta de um ex presidente. A coisa ficou tão banal que ninguem mais se importa de matar e ir a delegacia dizer que o fez.

publicidade