SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

RJ: governador pede calma; medidas de austeridade devem ser votadas hoje

Servidores e aposentados entram em conflito com a PM durante manifestação contra o pacote anticrise anunciado pelo governo local

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/11/2016 06:00 / atualizado em 16/11/2016 23:15

Azelma Rodrigues - Especial para o Correio

Yasuyoshi Chiba/AFP

O Rio de Janeiro voltou a viver um dia de protestos, desta vez com enfrentamento entre policiais, servidores e aposentados, contra o pacote anticrise do governo. Teve tumulto, com ruas e lojas fechadas, quebra-quebra e explosão de bombas de efeito moral. A votação das medidas de austeridade só deve começar nesta quinta-feira (17/11) à tarde.

Mesmo em meio a um tratamento contra o câncer, o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, saiu a público para tentar acalmar os ânimos e lembrar que não é só o estado que está falido, mas que a falta de caixa atinge também outras unidades da Federação e o próprio governo federal.

No curto prazo, a alternativa para a situação de falência não é o arrocho, mas a flexibilização de algumas das medidas do pacote fiscal, acredita o presidente do Conselho Federal de Economia (CFE), Júlio Miragaya. Segundo ele, opções de melhora da grave situação só virão a longo prazo, a depender de a economia brasileira voltar a crescer, e do preço do petróleo voltar a subir. “As medidas de ajuste fiscal são muito pesadas”, avalia o economista. “Não é à toa que o funcionalismo do Rio está em estado de guerra”, continuou.

No tumulto em frente ao prédio da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) pela manhã, a Polícia Militar utilizou spray de pimenta, bombas de efeito moral e balas de borracha, na tentativa de dispersar manifestantes que tentavam retirar grades de proteção ao prédio. Policiais e manifestantes registraram ferimentos leves. “Essas medidas não são para prejudicar, são para garantir o calendário de 2017 e 2018”,  afirmou Pezão, que no anúncio do pacote semana passada estimou um deficit de R$ 52 bilhões nas contas do estado para o período.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade