SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Acusação falsa de estupro pode se tornar crime hediondo

A Sugestão Legislativa foi aprovada por mais de 20 mil pessoas e começou a ser tramitada no Senado Federal nesta terça-feira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/04/2017 19:30 / atualizado em 19/04/2017 19:31

Pedro França/Agencia Senado
 
A falsa acusação de estupro pode se tornar crime hediondo no Brasil. A Sugestão Legislativa 7/2017 começou a tramitar nesta quarta-feira (19/4), na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa, no Senado Federal. 
 

A pauta foi apresentada por meio do portal e-Cidadania e recebeu o apoio de mais de 20 mil cidadãos. Pelo alto nível de aceitação, foi encaminhada para análise. Se aprovado, o texto pode se transformar em projeto de lei e passar para votação como as demais proposições legislativas, ou ser arquivado.

Atualmente, o Código Penal já pune a denúncia falsa de qualquer crime com até oito anos de reclusão. Contudo, a proposta solicita que a pena máxima suba para 10 anos quando a acusação falsa envolver o crime de estupro.
 
No texto, o autor justifica a proposta argumentando que homens que são vítimas da falsa acusação de estupro têm suas vidas arrasadas, podem perder o emprego, ser linchados e presos injustamente. "Peço a ajuda de homens e mulheres de bem para que aprovemos uma lei que torne a falsa acusação um crime hediondo. Vamos dar um basta.", escreveu um cidadão na sujestão.
 

Grandes traumas

 

O advogado criminalista e professor, Antônio Alberto de Cerqueira, esclarece que, se aprovada, a proposta não enquadraria os casos de denúncia de estupro em que a violência sexual não foi comprovada. "O que vai determinar a existência ou não da falsa acusação vai ser o dolo, a intenção", justifica. Ou seja, é crime hediondo quando ficar comprovado uma clara intenção de prejudicar uma outra parte. Segundo ele, a sugestão deveria ser debatida e aprovada porque "os danos à vida são gravíssimos, causando grandes traumas." 


Já o advogado criminal, Eduardo Toledo, afirma que é preciso estudar as consequências ao Estado e à população caso a proposta seja aceita. "Para tornar um crime desse tipo hediondo, deveria ser analisado se há um custo adicional ao Estado e deveria ser estudado o atual cenário do sistema penitenciário brasileiro, que está superlotado, em condições precárias", analisa. 

Toledo argumenta ainda que aumentar penas não ajudaria a diminuir os índices de violência no país. "Essa ideia é totalmente equivocada. Se a lei que já existe fosse aplicada seriamente, isso sequer seria cogitado. O homicídio qualificado se tornou crime hediondo e nem por isso houve uma queda nas estatísticas", rebate.

Entretanto, o especialista pondera que acusações errôneas de violência sexual têm sido frequentes nos tribunais. "Casos que envolvem divórcio e pensão costumam ter denúncias de estupro ou abuso sexual de algum parente da família. São denúncias exageradas que não podem ser provadas, mas isso não seria uma solução", reforça. 


Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.