DF é a unidade da Federação que mais praticou esportes entre 2014 e 2015

Dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios (PNAD 2015), divulgada pelo IBGE

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/05/2017 10:00 / atualizado em 16/05/2017 22:43

Kleber Sales/CB/D.A Press
 
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou, nesta quarta-feira (17/5), uma pesquisa sobre a prática de esportes e atividade física. O suplemento da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios (PNAD 2015) mapeou a situação dos brasileiros com 15 anos ou mais, e constatou que, dos 161.792 entrevistados, 37,9% praticaram algum esporte ou atividade física durante os 365 dias do ano.
 
O Distrito Federal foi a única unidade da Federação em que mais da metade da população (50,4%) praticou esporte ou atividade física durante todo o ano, o maior percentual de todo o país. O período da pesquisa foi de 27 de setembro de 2014 a 26 de setembro de 2015.

Leia mais notícias em Brasil
 
A pesquisa identificou, ainda, que a maioria dos entrevistados que praticam esportes é formada por homens, 53,9%, contra 46,1% de mulheres. São os mais jovens, entre 15 e 17 anos, que compõem o grupo que mais pratica atividade física: 50% dos entrevistados. O futebol é o esporte favorito dos homens, com 94,5% de adeptos. Para as mulheres, a preferência é a caminhada, praticada por 65,5%.

Quanto maior o nível de escolaridade, maior a porcentagem de pessoas que praticaram atividades físicas ou esportiva. Segundo o estudo, existe uma relação direta entre o nível de instrução e essas práticas. O nível econômico também influencia: pessoas inseridas no grupo com maior faixa salarial estão mais propensas à prática de alguma atividade física.

Para 38,4% dos entrevistados, a principal razão para a prática de esporte foi melhorar a qualidade de vida ou o bem-estar. Para 22,5%, o motivo foi melhorar ou manter o desempenho físico.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Antônio
Antônio - 17 de Maio às 14:17
Seria importante comparar, também, com os municípios, assim, oxalá, mostre um resultado mais realista !
 
Horst
Horst - 17 de Maio às 10:42
E a prática continua em alta no DF, muito se devendo às ações do trio formado pelos deputados distritais Celina Leão, Raimundo Ribeiro e Bispo Renato e suas investidas no sentido de dificultar o acesso ao transporte coletivo de quem tenta fugir do pirata. Afinal, com a liberação das faixas antes exclusivas para ônibus aos carros diversos, dentre os quais os clandestinos de pequeno a grande porte, os passageiros, sobretudo os que precisam usar de seu cartão de bilhetagem eletrônica para melhor poder de locomoção são obrigados a correr de um canto a outro do ponto de ônibus quando avistam o seu coletivo, a fim de garantir seu embarque. Quando o passageiro, no entanto, possui acuidade visual reduzida , a corrida vira uma verdadeira maratona, já que, por terem baixa visão, precisam se preocupar em ler o itinerário do coletivo e, principalmente, em saber onde o carro vai parar, por onde vai correr para pegá-lo, em uma corrida com obstáculos.