Acidente com ônibus clandestino mata 10 pessoas no norte de Minas Gerais

A Polícia Militar em Salinas informou que o trecho da rodovia em que o ônibus tombou é sinuoso e registra alto índice de acidentes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/06/2017 10:06 / atualizado em 19/06/2017 10:55

Thiago Santos/Divulgação


Um ônibus saiu da pista e tombou na madrugada desta segunda-feira (19/6) na BR-251 em Salinas, no Norte de Minas Gerais, deixando pelo menos 10 pessoas mortas e 18 feridas. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o coletivo fazia transporte clandestino de passageiros. O acidente ocorreu a dois quilômetros da área urbana de Salinas, no Km 317 da rodovia do Norte de Minas, que é rota desse tipo de transporte entre São Paulo e o Nordeste do Brasil.

O coletivo seguia de São Paulo com destino a Euclides da Cunha, na Bahia. A saída da pista ocorreu em uma curva e o local do acidente fica a 220 quilômetros do posto mais próximo da PRF. Segundo a corporação, o motorista não se apresentou à polícia e pode ter fugido do local do acidente. Ele também não tinha sequer uma lista de passageiros, exigência da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Testemunhas informaram que o condutor teria cochilado no momento do fato. Os sobreviventes foram encaminhados à Polícia Civil de Salinas, onde prestam depoimento. Os corpos dos mortos estão embaixo do veículo e os militares do Corpo de Bombeiros de Montes Claros são aguardados para fazerem a remoção. 

Imagens divulgadas do ponto onde ocorreu a saída de pista mostram a presença de policiais militares, perícia da Polícia Civil, agentes da PRF, militares do Corpo de Bombeiros e socorristas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Histórico de tragédias
A BR-251 tem um histórico de tragédias ao longo de seu traçado transversal, que passa por pelo menos sete cidades mineiras. A situação do trecho mineiro da estrada foi tema de diversas matérias do Estado de Minas nos últimos anos. Em 2013, a BR-251 era considerada a segunda mais perigosa do estado. Relembre alguns dos acidentes mais graves ocorridos na região.

2015 -  Seis pessoas morreram na colisão frontal entre um Toyota Corolla e uma carreta cegonheira, em 4 de setembro. As vítimas eram da mesma família e, entre elas, estavam duas crianças de 2 e 4 anos. O condutor da carreta teria feito uma ultrapassagem irregular.  

2014 - A batida entre dois caminhões e um van deixou seis mortos e sete feridos na madrugada de 13 de agosto, em Salinas. Na época, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), informou que os veículos de carga bateram primeiro e um deles invadiu a contramão atingido a van, com placa do Ceará. 

2014 – Em 13 de dezembro, duas pessoas morreram e pelo menos outras 14 ficaram em um acidente com uma van na BR-251, próximo ao distrito de Barrocão, no município de Grão Mogol. O motorista da van, que viajava no sentido Salinas/Francisco Sá, perdeu o controle da direção. O veículo saiu desgovernado e capotou. Na época, houve suspeita de que o veículo, de Alagoas, fazia transporte clandestino. 

2013 – Na manhã de 25 de novembro, um micro-ônibus do Serviço de Transporte em Saúde (SETS) e uma carreta bateram de frente na altura do km 361, perto de Padre Carvalho, matando 14 pessoas que seguiam da cidade de Rubelita para Montes Claros, onde os passageiros recebiam tratamento médico.

2011 – Em 19 de abril, dois ônibus e um caminhão bateram na BR-251, em Taiobeiras, deixando 35 feridos. Na época, testemunhas disseram ao Corpo de Bombeiros que o ônibus de uma empresa de turismo bateu na traseira do caminhão. Em seguida, outro ônibus da mesma empresa bateu na traseira do primeiro. Os dois veículos transportavam 90 professores que seguiam do Norte de Minas para uma assembleia sindical em Ouro Preto. 

2011 – Na primeira semana do ano, cinco pessoas morreram na colisão frontal entre uma carreta, com placa de Piracicaba (SP) e uma Parati, com placa de Taiobeiras (MG), no km 413 da BR 251, em Grão Mogol. A tragédia ocorreu na manhã de 3 de janeiro. Os cinco mortos eram ocupantes da Parati, que era um táxi e transportava passageiros de Taiobeiras para Montes Claros. A batida ocorreu no perigoso trecho da Serra de Francisco Sá, onde os acidentes são constantes. 

2010 – Um Fox e um caminhão bateram em 19 de janeiro no km 316 da BR-251, deixando cinco mortos. Todos os mortos estavam no veículo menor. As vítimas tinham idades entre 9 e 36 anos.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
RAIMUNDO
RAIMUNDO - 20 de Junho às 16:47
O Brasil precisa de uma reforma política profunda, para tentar minimizar a corrupção e as mordomias. O parlamentar, não deveria receber nada mais que o salário, pois esses privilégios: foro privilegiado, verbas de gabinete, auxílio moradia, auxílio aéreo, carro e motorista tudo pago pela sociedade é um verdadeiro absurdo. Sabe-se que, teoricamente, o propósito e os requisitos para o desempenho dessas funções políticas/eletivas é proporcionar a igualdade de oportunidade para todos os cidadãos. Historicamente no Brasil, observa-se que, com poucas exceções, os pré-requisitos dos políticos são: a desonestidade, o interesse pessoal ou de algum grupo, isso precisa acabar. Vejam que a maioria dos nossos parlamentares responde processos no STF, mas ninguém é condenado. Essa verba de gabinete é algo vergonhoso, pois, se há servidores concursados de carreira que poderão assessorar esses parlamentares, não tem sentido esses parlamentares se utilizarem de assessores de confiança, pois são pagos com o dinheiro público, mas eles querem pessoas desonestas "de confiança" que fazem parte do pacto da desonestidade desde seus estados de origem e com o foro privilegiado, sabem eles que nada acontece, isto é, o crime compensa. Na crise profunda em que o Brasil se encontra, precisa-se de uma reforma política profunda, para que o país consiga erguer-se social e economicamente. Já passou da hora de acabar com essas quadrilhas que há muito roubam os recursos que deveriam ser empregados na saúde, na educação, na segurança e em outros investimentos em infraestrutura que tanto o Brasil precisa. O que é mais amoral ainda, mesmo após a lava-jato, é ver %u201Cministros%u201D do STF e %u201Cparlamentares%u201D defendendo essas quadrilhas. Verdadeira inversão de valores.