Operação investiga contrabando e venda de anabolizantes em seis estados

A movimentação financeira mensal das organizações criminosas é estimada em R$ 2 milhões. Esquema contava inclusive com a participação de servidores de órgãos de segurança pública, como policiais federais, civis e militares

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 23/06/2017 07:49 / atualizado em 23/06/2017 10:56

Três grandes organizações criminosas estão na mira da Polícia Federal (PF), nesta sexta-feira (23/6), no âmbito da Operação Proteína. A investigação da PF apura o contrabando e venda irregular de anabolizantes e outras drogas, como medicamentos anorexígenos, usados para emagrecimento. Mais de 320 policiais federais cumprem 30 mandados de prisão temporária e 75 de busca e apreensão nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

 

A investigação ocorre desde julho do ano passado. Informações obtidas pela PF dão conta do comércio irregular das drogas em academias, lojas de suplementos alimentares e por particulares, principalmente no município de Rio Grande. "Parte da investigação resultou na Operação Black Dragon, deflagrada em dezembro de 2016", afirmou a PF em nota. A movimentação financeira mensal das organizações criminosas é estimada em R$ 2 milhões.

 

A Polícia Federal destacou o alto grau de estruturação dos grupos, que contava inclusive com a participação de servidores de órgãos de segurança pública, como policiais federais, civis e militares. Os criminosos traziam para o país drogas fabricadas no Paraguai, na Argentina, na Índia, e em outros países, sem o registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Segundo a PF, parte do contrabando de anabolizantes consumido no município de Rio Grande era fornecido por organizações criminosas estabelecidas na cidade de São Paulo.

Falsificação

Vídeos feitos por agentes federais mostram uma grande quantidade de medicamentos armazenados em caixas dentro de uma residência, durante a ação policial ocorrida em endereços de São Paulo. De acordo com a Operação Proteína, há  também indícios de falsificação e comercialização de medicamentos adulterados, como hormônios de crescimento, e de aquisição de anabolizantes no mercado interno, de forma fraudulenta, desviados para revenda clandestina.

 

Veja a lista de mandados judiciais da Operação Proteína

 

 

Rio Grande (RS): 3 de busca e apreensão

Pelotas (RS): 9 de busca e apreensão

Porto Alegre (RS): 1 de busca e apreensão

Palhoça (SC): 2 de busca e apreensão e 2 de prisão

Rio de Janeiro: 3 de busca e apreensão

Vitória (ES): 1 de busca e apreensão

Foz do Iguaçu (PR): 2 de busca e apreensão e 2 de prisão

Guaíra (PR): 1 de prisão

São Paulo (SP): 54 de busca e apreensão e 25 de prisão

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.