Operação da Polícia Federal desarticula organização de tráfico de drogas

Operação Spectrum aponta Luiz Carlos da Rocha, o Cabeça Branca, como um dos líderes da quadrilha

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/07/2017 13:29

Polícia Federal/Divulgação
 

A Polícia Federal deflagrou neste sábado (1/7) a operação Spectrum para investigar tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro. A Organização Criminosa Trasnacional seria liderada por Luiz Carlos da Rocha, o Cabeça Braca.



A organização criminosa de tráfico internacional de drogas possuía perfil de extrema periculosidade e violência. Entre outras coisas, ela foi responsável por ações contra vigilância a fim de impedir a proximidade policial, porte de armas de grosso calibre e lavagem de dinheiro. As ações eram principalmente no Peru, na Bolívia e no Peru.

Somente nos mandados deste sábado foram encontrados US$ 10 milhões em patrimônio. A segunda fase da operação deve ser focada em atingir a soma de US$ 100 milhões da fortuna estimada do traficante em veículos e imóveis no Brasil e em outros países registrados em nome de “laranjas.

Leia mais notícias de Brasil

Os presos responderão pelos crimes de tráfico internacional de drogas, lavagem de dinheiro, associação para o tráfico, falsificação de documentos públicos e privados e organização criminosa, com penas somadas que passam de 20 anos de prisão.


Um dos traficantes mais procurados pela Polícia Federal e Interpol na América do Sul, ele é considerado um dos “barões das drogas” ainda em liberdade. As condenações de Cabeça Branca somam 50 anos de prisão.

Polícia Federal/Divulgação


Segundo a Polícia Federal são 24 mandados judiciais, sendo 2 de prisão preventiva, 9 de busca e apreensão em imóveis, 10 de busca e apreensão de veículos e 3 de conduções coercitivas a serem cumpridos nas cidades de Londrina (PR), Araraquara (SP), Cotia (SP), Embu das Artes (SP), São Paulo (SP) e Sorriso (MT).


Spectrum
O nome da operação vem do latim, e significa fantasma, referência ao fato de Cabeça Branca  ter vivido "discretamente e nas sombras" durante quase 30 anos. Antes de ser descoberto, Luiz Carlos da Rocha passou por várias intervenções no rosto e mudou de identidade, sendo preso como Vitor Luiz de Moraes.


Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.