Cadastro rural não impede desmatamento na Amazônia, alerta estudo

Além de analisar as estatísticas, os autores também entrevistaram alguns fazendeiros nos dois Estados, que reforçaram essa percepção

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/07/2017 16:56

Criado com o objetivo de ajudar a conter o desmatamento ilegal, o Cadastro Ambiental Rural - ferramenta estabelecida na reforma do Código Florestal, de 2012 - pode ainda não está conseguindo entregar o que prometeu. É o que sugere um estudo que avaliou o comportamento de mais de 49 mil propriedades no Mato Grosso e no Pará antes e depois de elas aderiram ao CAR.

A análise, feita com base nos dados de dois sistemas estaduais precursores do CAR federal - criados por MT e PA nos anos 2000 -, e com imagens de satélite, revelou que em um primeiro momento, logo após o registro, a maior parte das propriedades de fato não teve novos cortes.
 

Com o passar do tempo, porém, elas voltaram a registrar pequenos desmatamentos, com a confiança de que não haveria punição. Em alguns casos, as derrubadas de mata em fazendas com o CAR chegaram a ser maiores que em propriedades que ainda não haviam aderido ao programa.

De acordo com o trabalho, liderado por pesquisadores do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) e da Universidade Federal de Minas Gerais, o problema foi detectado em 10,9% dos imóveis no Mato Grosso e chegou a 48,5% no Pará.

"A expectativa era que, uma vez que entrou no CAR, o proprietário não desmataria mais, já que o sistema foi planejado para facilitar o monitoramento e trazer a possibilidade de envio de multas pelo correio. Mas como isso não ocorreu, o proprietário foi ficando à vontade", disse ao Estado o pesquisador Raoni Rajão, da UFMG.

Além de analisar as estatísticas, os autores também entrevistaram alguns fazendeiros nos dois Estados, que reforçaram essa percepção. "Uma fala curiosa que ouvimos é que se entrar no CAR e mudar o ritmo de desmatamento, cortar só 10 hectares, ninguém vai pegar. Na cabeça dele, desmatamento é coisa de 1000 ha", complementa Rajão.

No estudo, publicado na edição desta segunda-feira (3/7) da revista PNAS, os autores apontam que observações de satélite confirmam que a maior parte dos desmatamentos (63% no Pará e 51% no Mato Grosso) em áreas que tinham CAR eram menores que 10 ha.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.