Tragédia em Goiânia: Mãe de vítima pede que não julguem o filho

Barbara Melo postou uma foto com o filho João Pedro Calembo em rede social e pediu respeito

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/10/2017 22:47

Reprodução/Instagram

 

Mãe de João Pedro Calembo (adolescente de 13 anos morto após ataque em Goiânia), Barbara Melo fez uma homenagem ao filho nas redes sociais e pediu respeito ao luto da família. "Somos humanos, falhos, gente que tenta acertar todos dias", escreveu.

 

Barbara contesta a hipótese de que o filho teria praticado bullying com o estudante que atirou contra os colegas. Ela ressaltou que a família esteve sempre presente na educação do filho. 

 

 

 

"Não julgue o nosso filho, a nossa família pelas notícias que você tem lido. Nós e a escola sabemos que não foi assim. Somos pais presentes, disponíveis, empenhados na educação dos nossos tr~es filhos", disse Barbara.

 

Relembre o caso

  

Nessa sexta-feira (20/10), o jovem, que diz ter sido vítima de bullying, disparou contra os colegas dentro da sala de aula, matando ao menos dois deles, João Vitor Gomes e João Pedro Calembo, ambos com 13 anos. Outros quatro ficaram feridos, um em estado grave.

 

Na tarde deste sábado (21/10), o garoto  foi ouvido pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) e depois encaminhado de volta para a Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais (Depai), onde ele permanece apreendido. Filho de policiais militares, ele usou a arma da mãe, levada à escola particular escondida dentro de uma mochila. Segundo a Polícia Civil goiana, o rapaz afirmou em depoimento que sofria bullying e o crime foi premeditado.

 

Leia o texto na íntegra: 

 

"A vida e suas reticências... não vou reclamar meu Papai do Céu... Apenas aceitarei seus propósitos. Não entendo, nunca vou entender. Não quero buscar explicações. O Senhor apenas me emprestou o João Pedro pelos melhores 13 anos da minha vida. Não julgue o nosso filho, a nossa família pelas notícias que vc tem lido. Nós é a escola sabemos que não foi assim. Somos pais presentes, disponíveis, empenhados na educação dos nossos 3 filhos. Respeitem nosso luto, somos humanos, falhos, gente que tenta acertar todos dias. Meu príncipe foi morar num lugar onde não há choro, tristeza ou dor. Nosso filho querido, amado, responsável por natureza.... Amamos vc eternamente! Estou despedaçada, mas o Senhor, no tempo dEle, me restaurará."

 

 

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Carmelita
Carmelita - 22 de Outubro às 09:52
Falta amor. Não são apenas os pais que educam seus filhos. Toda a sociedade tem grande participação nesse processo. Quando colocamos nossos filhos numa escola, eles vão conviver com filhos de outros pais. Precisamos ensiná-los a amar mais e aceitar as diferenças com amor, não interessa se o coleguinha ou a coleguinha é gordo ou gorda, bonito ou feio, maior ou menor, mora na zona sul ou em bairro da periferia, afeminado ou masculinizado, se fede ou se cheira bem. Se o/a colega tem uma qualidade legal, e todos temos ao menos uma, devemos ensinar nossos filhos a enaltecê-la na escola sem inveja. Se existe algo q incomoda a todos, vamos orientar nossos filhos a ajudar e colaborar com aquele coleguinha, filho de outros pais. A sociedade hj está egoista demais, individualista demais, tem ódio demais por aí e pouco amor.