Frente Favela Brasil entra com ação no MPF contra Waack: 'Racismo'

O partido afirmou, em nota, que essa fala é "inadmissível" em todas as esferas da sociedade

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/11/2017 18:17 / atualizado em 10/11/2017 20:36

Reprodução/Rede Globo

 
O partido Frente Favela Brasil (FFB) entrou com uma denúncia, por meio do Ministério Público Federal do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (10/11), contra o jornalista William Waack, da TV Globo. Em nota, a legenda demonstrou repúdio pela declaração racista do apresentador em um vídeo que circulou nas redes sociais na última terça (8/11). 
 
 
Em nota, o partido afirmou ainda que "se vê obrigado a realizar esse tipo de ação, para reafirmar sua luta diária por uma sociedade sem ódio racial, sem preconceito, sem discriminação de cor, classe social, gênero, orientação sexual e crença religiosa". 
 
"Tomamos a decisão de acionar o nosso Departamento Jurídico, porque o Frente Favela Brasil entende que não cabe mais esse tipo de fala. Isso é inadmissível em todas as esferas da sociedade, vindo de um formador de opinião em uma das principais emissoras de televisão se torna mais grave ainda. Não podíamos ver aquele vídeo e ficarmos parados”, explicou Wanderson Maia, co-presidente do Frente Favela Brasil.
 

"É coisa de preto" 

O vídeo mostra Waack conversando, durante o intervalo do Jornal da Globo, com o também jornalista Paulo Sotero. Eles apresentavam o telejornal transmitido à época de Washington, nos Estados Unidos, devido às eleições norte-americanas do ano passado, que culminaram na vitória de Donald Trump. 

A conversa entre os dois é interrompida por um som de buzina na rua, que faz Waack gritar agressivamente: “Tá buzinando o que, ô seu m... do cacete?”, e vira para o colega e diz: “Não vou nem falar o que é porque eu sei quem é, isso é coisa de preto”. Com a divulgação do vídeo, a Rede Globo decidiu afastar o apresentador das suas atividades.
 

Mobilização

Nas redes sociais, internautas reagiram ao comentário de Waack com a hashtag "É Coisa de Preto". O objetivo da campanha foi reacender o debate contra o racismo e enaltecer as conquistas de grandes personagens negros na história do Brasil e do mundo. 
 
 
 
 
 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.