Lojistas do Rio esperam crescimento de 3% nas vendas de Natal

Eles acreditam que os presentes que devem ser mais vendidos durante Natal são roupas, calçados, brinquedos, bolsas e acessórios, celulares, perfumaria, beleza e bijuterias.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/11/2017 12:42

O comércio lojista do Rio estima aumento de 3% nas vendas para o Natal. O resultado faz parte da pesquisa do Centro de Estudos do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDLRio), que ouviu 750 lojistas – 51% de lojas de rua e 49% de shopping – da cidade do Rio de Janeiro para conhecer a expectativa deles em relação às vendas no Natal.

A pesquisa mostra também que, apesar das dificuldades, os comerciantes estão fazendo promoções, descontos, planos de pagamentos facilitados, kits promocionais, liquidações, brindes, sorteios, lançaram novos produtos e aumentaram a variedade de mercadorias. Eles acreditam que os presentes que devem ser mais vendidos durante Natal são roupas, calçados, brinquedos, bolsas e acessórios, celulares, perfumaria, beleza e bijuterias.

Para 59% dos lojistas entrevistados, o preço médio dos presentes por pessoa deve ser de R$ 170 e os clientes deverão utilizar o cartão de crédito como forma de pagamento, seguido do cheque pré-datado, cartão à vista, dinheiro e a prazo.

De acordo com o presidente do CDLRio, Aldo Gonçalves, o otimismo "moderado" dos lojistas com o período natalino é reflexo do fraco desempenho das vendas em todas as datas comemorativas anteriores, que não atingiram a expectativa de crescimento estimada pelo comércio.

“No caso do Rio de Janeiro, a crise econômica está inibindo o consumidor. E quando a economia vai mal afeta o clima de otimismo e inviabiliza as compras. É o ambiente econômico que  dita o comportamento do consumidor. É a economia em desenvolvimento harmonioso que sustenta os ciclos de produção, emprego, consumo e progresso social. Não se conhece fórmula diferente”, afirmou.

Leia as últimas notícias de Brasil
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.