Publicidade

Estado de Minas

Justiça manda bloquear bens de empresas de tratamento de resíduos no Pará

O bloqueio visa garantir o tratamento de chorume (líquido proveniente da matéria orgânica em decomposição) do aterro sanitário de Marituba


postado em 08/12/2017 19:55

A juíza Tarcila Maria Souza de Campos, da comarca de Marituba, no Pará, determinou o bloqueio de R$ 54,5 milhões das empresas Guamá Tratamento de Resíduos, Solvi Participações e Revita Engenharia. O bloqueio visa garantir o tratamento de chorume (líquido proveniente da matéria orgânica em decomposição) do aterro sanitário de Marituba. De acordo com o Ministério Público Estadual do Pará, as empresas terão 20 dias para apresentar a medida emergencial de tratamento do chorume.

Na última quarta-feira (6/12), o Ministério Público do Pará e a Polícia Civil iniciaram a Operação Gramacho, que apura irregularidades no funcionamento do Aterro Sanitário de Marituba, na região metropolitana de Belém. A operação resultou na prisão de três diretores da empresa Guamá Tratamento de Resíduos, que opera o aterro.
 
 
As prisões ocorreram em São Paulo e na Bahia. Os acusados já estão na capital paraense. Quatro processos criminais continuam em andamento. Os diretores da empresa Guamá são investigados por danos ambientais.

Em janeiro, na ausência de mais lagoas para armazenamento de chorume, a Guamá teria despejado o líquido bruto no solo sem impermeabilização. O poluente atingiu Igarapé Pau Grande, no Refúgio da Vida Silvestre, unidade de conservação de proteção integral. Com o início do período de chuvas, o chorume pode voltar a escorrer para o igarapé, que é do dos afluentes do Rio Guamá.

As empresas sob investigação foram procuradas pela reportagem, mas até o fechamento desta edição, não obtivemos retorno.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade