Publicidade

Estado de Minas

Turista australiano atropelado em Copacabana continua em estado gravíssimo

O turista, de 68 anos, que estava no Rio de Janeiro de férias teve traumatismo craniano e respira com ajuda de aparelhos


postado em 19/01/2018 19:29

O motorista atropelou as pessoas que caminhavam pelo calçadão. Um bebê de oito meses morreu na hora (foto: Carl de Souza/AFP)
O motorista atropelou as pessoas que caminhavam pelo calçadão. Um bebê de oito meses morreu na hora (foto: Carl de Souza/AFP)


Uma das vítimas do acidente em Copacabana, no Rio de Janeiro, continua em estado gravíssimo. O australiano de 68 anos está na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), respirando com a ajuda de aparelhos. Ele teve traumatismo craniano. A informação foi divulgada pela da Secretaria Municipal do Rio de Janeiro na tarde desta sexta-feira (19/1). Duas crianças de dois e dez anos tiveram alta nesta tarde, e as outras vítimas estão em estado clinicamente estável. 


As vítimas foram levadas para o Hospital Miguel Couto e Hospital Souza Aguiar. A pasta divulgou que uma criança de sete anos deve passar por cirurgia ortopédica na perna esquerda na semana que vem, mas o quadro de saúde é estável. Uma pessoa de nacionalidade argentina também teve uma fratura e está com cirurgia prevista para os próximos dias. E outra vítima de 32 anos também deve ser transferida para um hospital de alta complexidade em ortopedia para cirurgia. 

A principal linha de investigação do acidente é que Antônio de Almeida Anaquim tenha tido um ataque epilético no momento em que invadiu o calçadão e atropelou 17 pedestres. Um bebê de oito meses morreu no acidente.
 
Apesar disso, o delegado da 12ª Delegacia de Polícia, Gabriel Ferrando, afirma não descartar nenhuma hipótese e que a vida do motorista deve ser investigada. Ele argumentou que a legislação não previa prisão em flagrante para casos de atropelamento em que o motorista se mantém no local. A prisão também teria sido descartada porque não havia indício de álcool no sangue e porque não há indício de que o motorista estaria participando de um “pega”. 

Uma mulher que estava dentro do veículo no momento do acidente fugiu do local. Momentos depois, ela se apresentou na delegacia, alegou que saiu do local porque estaria com medo, e confirmou que Antônio teve um ataque epilético. 

Memória

Antonio Almeida Anaquim dirigia pela Avenida Atlântica e, por volta das 20h30 da quinta-feira, perdeu o controle do veículo e atropelou os pedestres que estavam no calçadão, próximo à Rua Figueiredo de Magalhães. Ele estava com a habilitação suspensa desde maio de 2014. De acordo com o Departamento de Trânsito (Detran), o condutor não cumpriu a exigência de devolução da habilitação. Ele terá sua documentação cassada.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade