Publicidade

Estado de Minas

Deportação de brasileiros cresceu 29% com o governo Donald Trump

Cerca de 410 mil brasileiros vivem nos EUA, um quarto deles de forma ilegal. Na era pós-Trump, a deportação aumentou, gerando insegurança


postado em 22/01/2018 16:36

Welington Rocha deixou a mulher, Luciana, e enteados ao ser obrigado a retornar ao Brasil(foto: Reprodução/Facebook)
Welington Rocha deixou a mulher, Luciana, e enteados ao ser obrigado a retornar ao Brasil (foto: Reprodução/Facebook)

 
Washington e Cincinatti — Em seu primeiro ano à frente da nação mais poderosa do mundo, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que prometeu, ao longo da campanha, devolver a Terra de Tio Sam aos americanos e construir um muro na fronteira com o México, tem tirado o sono de imigrantes com agenda restritiva a estrangeiros. No EUA pós-Trump, a deportação de brasileiros cresceu 29%, embora o país nem esteja na mira do republicano. Famílias estão sendo separadas e uma atmosfera de medo toma conta de quem está na clandestinidade. Cerca de 410 mil brasileiros vivem nos EUA, um quarto deles de forma ilegal.
 
 
O último levantamento da população brasileira nos EUA é de 2016, conforme dados do U.S. Census Bureau. Não há estatísticas atualizadas sobre imigrantes ilegais, mas, em 2014, eles chegavam a 105 mil, a maior parte em Boston (Massachusetts) e na Flórida. Os brasileiros representam quase 10% da população de 42,1 milhões de imigrantes nos EUA, cerca de 11 milhões sem documentos para permanecer no país de Trump. 

De acordo com o departamento de Imigração e Alfândega dos EUA (U.S Immigration and Customs Enforcment - ICE), o número de brasileiros deportados cresceu de 1.095, em 2016, para 1.413, no ano passado, um aumento de 29%. O que nos documentos oficiais são somente estatísticas é um sofrimento na vida do casal de mineiros Luciana e Welington Rocha, ambos de 37 anos. Ilegal no país há 14 anos, ele estava na esperança de regularizar a situação. Acabou deportado em outubro, sendo obrigado a voltar para a zona rural de Conselheiro Pena, no Leste de Minas, e se separar da esposa e dos três enteados, que continuam em Nashua, no estado de Nova Hampshire, próximo a Massachusetts.

“Estou dormindo à base de remédios desde que meu marido foi deportado. Havíamos acabado de comprar uma casa, que agora está enorme sem ele. Tive que arrumar um emprego, porque era o Welington quem trabalhava”, conta Luciana, natural de Resplendor, também no Leste de Minas, região famosa pelos migrantes que vão atrás do “sonho americano”. “Estamos vivendo um pesadelo”, diz. Há quase 20 anos nos EUA, Luciana tem a cidadania, assim como seus três filhos, do primeiro casamento com um norte-americano.

Ela se separou em 2011 e, no ano seguinte, conheceu Welington, que fez a arriscada travessia pelo México para conquistar a América. Apaixonou-se pelo conterrâneo e os dois se casaram em 2013, quando começaram também os trâmites para regularizar a situação do marido. “Pedi a autorização de trabalho para ele, Welington conseguiu o ‘stay’ (permissão para ficar) em 2014 e, em agosto, quando foi se apresentar ao ICE novamente, já avisaram que era para comprar a passagem de volta”, lembra.

Perdão

Mesmo sabendo da política linha dura de Trump, a notícia foi um choque. “Não achava que ele era prioridade, mas disseram que todos com carta de deportação vão ter que retornar. No meu estado são seis brasileiros. Entramos com o processo para pedir o perdão, mas isso deve demorar dois anos”, conta Luciana, que luta para que o marido consiga voltar aos EUA. “Ele voltou a viver na roça com os pais”, diz.

Entre os cidadãos legais no país, o controle do governo também aumentou. O medo de um eventual problema leva moradores a evitar a exposição pública, mas eles observam que a fiscalização está maior. No voo de BH para Miami, a reportagem conheceu um mineiro que há dois anos se mudou para Kansas, depois de se casar com um americano – por amor. É bom frisar isso porque há casos de casamentos arranjados no exterior para conquistar a permanência legal nos EUA.

“Depois do Trump, toda vez que chego aos EUA, eles me levam para uma salinha para conferir meus documentos”, conta o mineiro. Ao passar pela imigração, no Aeroporto de Miami, a via sacra se repetiu e, mesmo com o Greencard, ele foi novamente submetido a inspeção rigorosa. “Já estou ficando acostumado”, diz.

Linha dura

Com Trump na presidência, não há qualquer perspectiva de afrouxar o controle. “Não vejo no governo a tendência em aliviar os requisitos de vistos, considerando a atual política dos EUA em torno da imigração”, afirma o especialista em América Latina, Jason Marczak, do Atlantic Council, organização norte-americana de estudos sobre políticas internacionais. “Na América do Sul, a atenção da Casa Branca está focada na Venezuela e, com as eleições brasileiras este ano, não percebo muita força em avançar questões sensíveis até um novo presidente assumir”, completa.

Há um lado positivo nisso, na avaliação do professor de Governo e Relações Internacionais da Georgetown University, Matthew Kroenig. “O Brasil não está sendo tratado como prioridade e talvez seja um bom sinal. Trump está priorizando situações como a Coreia do Norte, o acordo nuclear do Irã”, afirma.

Em situação mais vulnerável que brasileiros estão cidadãos muçulmanos e de países como El Salvador, Haiti, Nicarágua e Equador, que perderam a designação de status temporário de deportação. Eles terão que regressar ao país de origem até 2019. “Não estamos num bom momento para falar sobre isso”, comenta uma cabeleireira de El Salvador, quando questionada sobre o governo Trump, em Washington.

O Brasil clandestino no país de Trump


Total de brasileiros ilegais nos EUA....105 mil

Principais regiões
Massachussets.....................................27 mil
Flórida.................................................18 mil
Nova Jersey..........................................14 mil
Califórnia..............................................7 mil
Nova York..............................................6 mil
Connecticut..........................................6 mil
Pensilvânia...........................................4 mil
Georgia................................................4 mil
Maryland..............................................3 mil
Texas....................................................2 mil
Carolina do Norte..................................2 mil
Virginia.................................................2 mil

Fonte: Migration Policy Institute, com dados do U.S. Census Bureau

Imigração no topo da agenda

Com discurso nacionalista, Trump tem colocado a questão da imigração no topo de suas prioridades. Ironicamente, os EUA, onde vivem 42,1 milhões de imigrantes, têm nesse movimento sua origem e marca. Relatório do Instituto de Políticas Migratórias (Migration Policy Institute) sobre o primeiro ano do presidente aponta que admissões de refugiados diminuíram ao menor nível desde a criação do programa, em 1980. O documento indica, em 2017, crescimento das prisões de imigrantes ilegais no interior dos EUA.

Trump também cancelou o programa Ação Diferida para Ingressos Infantis (DACA, na sigla em inglês), que concedia autorização de trabalho e moradia a quem chegou nos EUA ainda criança de forma clandestina. A construção de um muro na fronteira com o México tem sido objeto de negociação intensa do presidente e a meta é que o vizinho arque com os custos da construção.

Na quinta-feira, Trump foi incisivo quanto à sua intenção de proteger as fronteiras. “Preciso do Muro para a segurança do nosso país. Precisamos do Muro para ajudar a parar a entrada maciça de drogas do México, agora classificado como o país número 1 mais perigoso do mundo. Se não há Muro, não há acordo!”, escreveu no seu perfil do Twitter. A previsão do muro tem sido objeto de pressão de Trump no Congresso.
 

Barreiras

O relatório do Instituto de Políticas migratórias, no entanto, observa que, apesar da intenção do governo de fechar o cerco a imigrantes, Trump tem encontrado barreiras. “O apoio para reduzir radicalmente a imigração legal e reformular a seleção de trabalhadores nascidos no exterior ainda não conseguiu obter uma força significativa no Capitólio. Nem os legisladores providenciaram os bilhões de dólares necessários para fechar a fronteira entre os EUA e México ou adicionar milhares de agentes adicionais de patrulha da fronteira e oficiais de imigração”, indica o texto.

*A repórter é um dos nove participantes do programa “Cobertura da Presidência dos Estados Unidos 2018”, organizado pelo International Center for Journalists (ICFJ) e promovido pela Embaixada dos EUA. Também integram o grupo jornalistas de Gana, Paquistão, Quênia, Reino Unido e Uruguai.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade