Publicidade

Estado de Minas

Chuvas em janeiro foram inferiores à média na maior parte do Brasil

O Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico esteve reunido na manhã desta quarta-feira (7/2) para analisar as condições de suprimento eletroenergético em todo o país


postado em 07/02/2018 13:01

Deve chover abaixo da média histórica nas bacias do subsistema sul e na bacia do rio Paranapanema(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Deve chover abaixo da média histórica nas bacias do subsistema sul e na bacia do rio Paranapanema (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
 
 
O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) apresentou ao Comitê de Monitoramento do Setor Elétrica, reunido nesta quarta-feira (7/2), que, no mês de janeiro de 2018, as chuvas foram inferiores à média na maior parte do Brasil, com exceção da Região Sul. No Rio Madeira, as precipitações superaram ligeiramente a média histórica, especialmente na porção sul e oeste da bacia.
 
Em termos de Energia Natural Afluente (ENA) das bacias dos rios Grande, Paranaíba, São Francisco e Tocantins, que juntos concentram cerca de 80% da capacidade de armazenamento do Sistema Interligado Nacional (SIN), se configurou o segundo pior valor histórico no período de janeiro a dezembro de 2017 para todas as quatro
 
Já em janeiro de 2018, a ENA para essas bacias se configurou como 19º pior, 10º pior, 5º pior e 9º pior valor do histórico, respectivamente, o que representa uma melhora em relação aos índices do ano passado.
 
Segundo o CMSE, a Energia Armazenada (EAR) verificada no fim de mês de janeiro de 2018 foi de 31,3% nos reservatórios do subsistema Sudeste/Centro-Oeste, de 81,9%, no Sul, de 17,8% no Nordeste e de 32,3%, no Norte. Os valores esperados de armazenamentos equivalentes ao final do mês de fevereiro de 2018 são: 39,9% no Sudeste/Centro-Oeste, 78,8% no Sul, 23,7% no Nordeste e 49,1% no Norte.

Fenômeno La Niña

O ONS destacou que o fenômeno de La Niña, em curso, “parece se encontrar perto de seu ponto de auge, embora apresentando intensidade fraca”.  Nos próximos sete dias, são esperadas chuvas mais abundantes nas bacias dos rios São Francisco, Tocantins e Xingu, onde os acumulados podem ultrapassar ligeiramente os valores históricos.
 
Deve chover abaixo da média histórica nas bacias do subsistema sul e na bacia do rio Paranapanema e espera-se chuva em torno da média nas bacias do Grande, Paranaíba e Madeira. “O cenário mais provável de previsão para a segunda semana é de chuvas inferiores à média principalmente nas bacias dos rios São Francisco e Tocantins. Nas demais bacias do SIN a precipitação acumulada deve ficar em torno dos valores médios históricos do período”, diz a nota do CMSE.
 
Com isso, a análise de risco de qualquer deficit de energia em 2018 é igual a 0,3% e 0,1% para os subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste, respectivamente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade