SIGA O
Correio Braziliense

Primeiro dia de desfile em São Paulo tem apagão e homenagens

As escolas Rosas de Ouro e Águia de Ouro conseguiram empolgar o público.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/02/2016 09:31

Piratas do Caribe na Ilhabela, LEDS apagados em alegoria de comissão de frente, um apagão dos refletores do Anhembi, o prefeito Fernando Haddad (PT) dizendo que os blocos de rua rendem R$ 150 milhões a mais para a cidade do que o carnaval de avenida e atrasos no desfiles marcaram a primeira noite do Grupo Especial de São Paulo. Apesar disso, as escolas Rosas de Ouro e Águia de Ouro conseguiram empolgar o público.

A escola de samba Pérola Negra, da Vila Madalena, zona oeste de São Paulo, abriu a primeira noite de desfiles do grupo especial. Após passar por um susto com falta de energia - que atingiu parte do Sambódromo do Anhembi - e um princípio de chuva, o desfile transcorreu sem problemas.

De volta à elite do samba, a agremiação escolheu seu bairro de origem como tema. A dança foi o fio condutor que contou a história da vila, que começou com a chegada dos índios e hoje é conhecida pelo clima de boemia.

O balé foi apresentado no abre-alas e também com bailarinas que dançavam na avenida. Fantasias de índios eram vistas em praticamente todos os setores. Nas fantasias e alegorias, predominaram as cores azul, vermelho e amarelo.

A Pérola Negra conseguiu cumprir o tempo de desfile e chegou ao final do sambódromo com uma hora e três minutos de apresentação - a dois minutos do limite.

A Roseira, com um enredo sobre tatuagem, "Arte à Flor da Pele. A Minha História vai Marcar Você", tem chances de conseguir mais um título. O último foi em 2010. A agremiação tatuou os 2.700 integrantes com 10 mil tatuagens temporárias. No refrão, copiou a Menino do Rio, de Caetano Veloso, cantando "dragão tatuado no braço".

A escola começou a contar seu enredo a partir das pinturas rupestres, com um carro cheio de homens das cavernas. Ao longo da passagem pela avenida outras surpresas surgiram como: a bateria vestida de marinheiro e o último carro repleto de integrantes com tatuagens de verdade.

A empresária Aline Cândido, de 29 anos, tem um estúdio e se diz "fã de rock'n roll". Foi a primeira vez que ela desfilou. "Eu prefiro outro tipo de música, mas me diverti bastante. As tatuagens são a minha segunda pele", contou Aline, que já perdeu as contas de quantos desenhos no corpo fez desde a primeira tatuagem, quando tinha 16 anos.

Apesar de ter empolgado o público, a escola correu. O folião do Anhembi que parou para olhar no celular e postar uma foto no Instagram deixou de ver a passagem de alas e carros alegóricos. A Rosas de Ouro fez o desfile em 61 minutos, quatro antes do tempo limite. Mas a presidente Angelina Basílio comemorou. "Foi melhor do que a gente esperava. Esse ano vamos voltar levantar a taça."
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.