Publicidade

Estado de Minas

Império Serrano abre o desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro

Outras seis agremiações se apresentam ao longo da noite e da madrugada. Mocidade, uma das campeãs do ano passado, é a última a se apresentar, com samba enredo que promete apresentar as semelhanças culturais do Brasil e da Índia


postado em 11/02/2018 22:02

Império Serrano não se apresentava no Grupo Especial desde 2010(foto: Carl de Souza/AFP)
Império Serrano não se apresentava no Grupo Especial desde 2010 (foto: Carl de Souza/AFP)

A Império Serrano abriu neste domingo (11/2) o desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro. O pontapé pela agremiação promete ser nostálgica para os apoiadores. Desde 2010, ela não se apresentava no Grupo Especial. No retorno, ela entra no Sambódromo com o samba enredo “O império do samba na rota da China”, do carnavalesco Fábio Ricardo. A apresentação promete uma viagem pela cultura chinesa, em que será mostrada as riquezas e tradições orientais do país.

Em seguida, desfila na Marquês de Sapucaí a escola São Clemente. O samba enredo é o “Academicamente popular”, que contará a história dos 200 anos da Escola de Belas Artes, do carnavalesco Jorge Silveira. A terceira agremiação é a Unidos de Vila Isabel, do samba enredo “Corra que o futuro vem aí”. A proposta vai mostrar uma viagem no tempo desde as primeiras descobertas até os dias atuais.

A quarta agremiação é a Paraíso do Tuiuti. Com o samba enredo “Meu Deus, meu Deus, está extinta a escravidão?”, do carnavalesco Jack Vasconcelos, a escola mostra o contexto histórico da escravidão no Brasil e promete uma crítica à reforma trabalhista e às relações de trabalho no país. Logo após, entra na Sapucaí a Acadêmicos do Grande Rio, com o samba enredo “Vai para o trono ou não vai?”, dos carnavalescos Renato Lage e Márcia Lage. A apresentação homenageará o comunicador Abelardo Barbosa, o eterno Chacrinha.

A sexta apresentação é a da Mangueira. Com o samba enredo “Com dinheiro ou sem dinheiro eu brinco”, do carnavalesco Leandro Vieira, a escola vai relembrar carnavais antigos e deseja mostrar que a festa acontece com ou sem crise econômica. A sétima e última agremiação a entrar no Sambódromo é a Mocidade, uma das campeãs no ano passado. O enredo “Namastê… A estrela que habita em mim saúde a que existe em você” vai apresentar as semelhanças entre a cultura indiana e brasileira.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade