cidades df

Restaurantes comunitários marcam pontos ao oferecer comida barata e de boa qualidade

Elisa Tecles

Publicação: 14/07/2009 08:36 Atualização: 14/07/2009 09:03

Almoçar bem e pagando pouco é um desafio difícil de ser vencido nos self-services e lanchonetes do DF. Em casa, nem sempre há tempo de encarar o fogão para preparar uma refeição. A solução encontrada por muita gente é comer nos restaurantes comunitários. Eles vendem pratos escolhidos por nutricionistas a R$ 1. As nove unidades dos refeitórios mantidos pela Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedest) servem cerca de 24 mil refeições diariamente.

 (Daniel Ferreira/CB/D.A Press)

Os restaurantes comunitários são uma opção barata não só para quem precisa comer fora de casa, mas também para os que não querem gastar no supermercado. Muitas donas de casa dão uma folga às panelas e levam os filhos para comer nos refeitórios. Em época de férias, o movimento de mães com crianças aumenta. Na manhã de ontem, a dona de casa Valdilene Cedro Pereira, 32 anos, almoçou com o filho Lucas, de 1 ano, na unidade do Recanto das Emas. Ela é a responsável por preparar suas refeições e as do bebê todos os dias. Vez por outra, prefere ir ao restaurante e economizar um pouco, além de descansar do fogão. “Com R$ 1, eu não consigo fazer um almoço, aqui é mais barato”, revelou. A economia de Valdilene é ainda maior porque um só prato é suficiente para alimentar mãe e filho. “Ele come de tudo aqui, adora uma verdura”, disse.

 

 

 

O perfil de quem almoça nos refeitórios é variado — são trabalhadores, estudantes, aposentados e desempregados. Em maio deste ano, a Sedest realizou um estudo alimentar sobre os usuários das unidades. A equipe descobriu que a preferência do público é pela dupla arroz com feijão — 85,9% das pessoas disseram saborear a mistura mais de cinco vezes por semana. A carne vermelha também está no topo da lista. Ela é consumida pelo menos uma vez por semana por 98% dos entrevistados.

Para não enjoar, as carnes são servidas com diferentes preparações. O frango vira estrogonofe, a carne ganha tempero à mexicana e o hambúrguer vem acompanhado de vinagrete. O prato principal preferido dos consumidores é a feijoada, citada por 34,3% das pessoas. Em seguida vêm o frango (31%) e a carne bovina (13,6%). “Nossa intenção é ter variedade, e a apresentação também é importante. Um frango tem várias maneiras se ser servido, como no fricassê e no estrogonofe”, comentou a nutricionista Maria da Conceição Nascimento.

 (Daniel Ferreira/CB/D.A Press)
Do total de pessoas atendidas, 24,5% são estudantes, donas de casa, aposentados ou desempregados. A aposentada Esmeralda Rodrigues, 72 anos, frequenta o restaurante do Recanto das Emas de segunda-feira a sábado. Desde que o local abriu, há três anos, ela pega um ônibus por volta das 11h e segue para a avenida central da cidade, onde fica o refeitório. “Eles (os cozinheiros) fazem tudo muito bem. Eu gosto quando tem macarrão, verdura e carne de galinha”, comentou. Esmeralda recebe um salário mínimo por mês e gasta quase tudo com aluguel, contas da casa e remédios. Como sobra pouco para fazer compras no supermercado, ela prefere almoçar fora de casa. “Eu já cozinhei muito. Parei porque o aluguel aumentou e a comida ficou cara. Aqui o tempero é bom e sai barato”, justificou.

Mesas cheias

Toda sexta-feira, dia de feijoada, os restaurantes estão lotados. Frango e carne vermelha também são sinônimos de mesas cheias. Receitas à base de vísceras, no entanto, não são garantia de sucesso. A moela saiu do cardápio por falta de apreciadores. A dobradinha divide opiniões. Quando servida no restaurante comunitário de Ceilândia, ela entra no prato de 80% das pessoas. Já na unidade do Paranoá, só 30% dos clientes provam a especialidade.

Emivaldo Gomes de Oliveira, nutricionista e responsável técnico da Terra Azul, que administra seis restaurantes comunitários no DF, explica que o ideal é a pessoa se servir de todas as opções oferecidas. “O cardápio é equilibrado. Cada refeição tem uma média de 1.400 calorias e é pensada para atender as necessidades de uma pessoa saudável. Se a pessoa não pega um dos alimentos, compromete a qualidade e a quantidade do prato”, explicou. A equipe dos restaurantes incentiva os clientes a comer mais saladas e vegetais, pratos muitas vezes deixados de lado.

Novos alimentos chegam todos os dias às cozinhas do restaurante. O cardápio é elaborado com um mês de antecedência, havendo um planejamento para não faltar nada. A organização é peça fundamental na rotina dos refeitórios. Na unidade do Recanto das Emas, a primeira leva de feijão entra na caldeira às 5h30 da manhã. Uma hora depois, é a vez do arroz. A unidade serve entre 240kg e 320kg de arroz e 150kg de feijão diariamente. São pelo menos 2,8 mil refeições servidas por dia.

Em agosto, uma novidade entra no cardápio: a bruschetta. Servida em restaurantes de luxo, a receita ganhou versão popular, mas não menos saborosa: pão com ervas, orégano, tomate, queijo, azeite e alho. Foi a maneira encontrada pelos nutricionistas de mostrar às pessoas que há alternativas ao tradicional pão com manteiga.

Saúde no prato

O cardápio dos restaurantes é elaborado com receitas saudáveis e balanceadas. Todos os dias, há uma salada, arroz, feijão, um tipo de carne e uma guarnição. As refeições fornecem carboidrato, proteína, fibras e vitaminas ao organismo. Um prato completo tem, em média, 1.400 calorias. Confira os benefícios de uma refeição do restaurante:

Salada
# A mistura de cenoura e repolho é rica em betacaroteno e fibras e ajuda na digestão

Arroz
# Fonte de carboidrato

Feijão
# Leguminosa com alto índice de proteínas e ferro, importante para evitar a anemia

Fígado
# Fonte de proteína e fibra, ajuda na coagulação do sangue

Creme de abóbora
# Fornece ao organismo betacaroteno, vitaminas e minerais



Endereços dos restaurantes comunitários

Samambaia
ADE/S – Conjunto 15 – Lotes 1/2 às margens da BR-060

Ceilândia
CNM 01 – Bloco 01 – Lote 01 – Ceilândia Centro – Antigo Salão de Múltiplas Funções

Santa Maria
Av. Alagados – Área Central, junto ao prédio da Administração Regional

São Sebastião
Centro de Múltiplas Atividades – lote 02, próximo ao prédio da Administração Regional

Paranoá
Quadra 02 – Lote A – Feira Livre – A.E.

Recanto das Emas
Av. Recanto das Emas – Quadra 01 – Lote 01 – Centro Urbano

Planaltina
Setor Recreativo e Cultural – Módulo Esportivo – Via WL 1-a/NS

Itapoã
Quadra 61, Área Especial Entreconjuntos D/E, Condomínio Dell Lago

Estrutural
Quadra 14, Área Especial – Vila Estrutural l

Esta matéria tem: (7) comentários

Autor: manoel santos
até concordo,com a refeição desse preço,mas a do restaurante comunitário do itapoã está uma merda de péssima qualidade,só estava boa no dia da inauguração,que o arruda foi comer.já achei até pedra no feijão,arroz duro. | Denuncie |

Autor: Diego Aguiar
Parabéns ao GDF, nada mais cristão e humano que dar acesso a alimentos àqueles que precisam, mesmo que isso custe um pouquinho do nossos impostos. Mais uma vez parabéns. | Denuncie |

Autor: Adriana Lacerda
Parabens mesmo por essa iniciativa do GDF, porém deveria divulgar pelo menos o planejemento dos locais para os próximos restaurantes. Claro, não esquecendo do Gama. rs | Denuncie |

Autor: célia teixeira
De preferência no Cruzeiro Center. Célia. | Denuncie |

Autor: célia teixeira
De preferencia no Cruzeiro Center. Célia. | Denuncie |

Autor: célia teixeira
O GDF está de parabéns, mais para ser um "PARABÉNS" mesmo só falta implantar um restaurante comunitário no Cruzeiro Velho. Abraços. Célia. | Denuncie |

Autor: Jósé Favacho
Eu queria saber do GDF, responsável pela implantação desses restaurantes, quando é que vamos ter um no Plano Piloto ??? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.