publicidade

PGR divulga fotos da sala onde Arruda está preso na PF

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 05/03/2010 21:09 / atualizado em 05/03/2010 21:36

Gabriela Lima

PGR/ Divulgação
Para rebater a afirmação da defesa do governador afastado, José Roberto Arruda (sem partido), que ele estaria preso em uma "masmorra", a Procuradoria Geral da República divulgou, nesta sexta-feira (5/3) fotos da cela onde Arruda está preso na Superintendência da Polícia Federal, em Brasília. A sala, de 17 m², é mobiliada com uma beliche, mesa com cadeira, sofá e ar-condicionado.

O advogado de Arruda, Nélio Machado, criticou o local durante sessão do Supremo Tribunal Federal (STF) que julgou, na quinta-feira (4/3), o pedido de habeas corpus. Por nove votos a um, os ministros do STF negaram a liberdade  ao governador afastado.

Em um dos trechos da sustentação, Nélio Machado disse que o governador estava preso "numa masmorra", sem TV nem rádio. O Ministério Público rebateu. A subprocuradora-geral da República, Deborah Duprat, disse que tinha fotos da sala e que a prisão era "digna".

Arruda teve a prisão decretada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), depois que agentes da Polícia Federal flagraram uma suposta tentativa de suborno ao jornalista Edson Sombra. Em troca de dinheiro, Sombra deveria desqualificar os vídeos gravados pelo ex-secretário de Relações Instituicionais, Durval Barbosa, delator do suposto esquema de corrupção.

Transferência
Ele se entregou à polícia e ficou por oito dias em uma sala de 40 m², no Instituto Nacional de Criminalística, até ser transferido no dia 19. O local anterior contava  com banheiro e janelas amplas.

Além do governador afastado, estão presos quatro acusados de envolvimento na tentiva de suborno: o suplente de distrital Geraldo Naves; o ex-secretário de comunicação do Governo do Distrito Federal Welligton Moraes; o ex-diretor de comercialização da Companhia Energética de Brasília (CEB) Haroaldo Brasil de Carvalho; e o conselheiro do Metrô-DF Antônio Bento, flagrado ao entregar uma sacola com R$ 200 mil a Sombra.

publicidade

publicidade