publicidade

VIOLÊNCIA

Preso em Ceilândia homem suspeito de estuprar 32 mulheres

Dez vítimas reconheceram o homem na quarta (31/3) na 24ª DP onde há pelo menos 23 ocorrências atribuídas a ele. Crimes começaram em agosto de 2008

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 01/04/2010 08:19 / atualizado em 01/04/2010 15:04


Isaias Monteiro/Esp CB/D.A press
Pelo menos 32 mulheres podem ter sido estupradas por um homem preso em Ceilândia. Reconhecido ontem por 10 mulheres como autor de violência sexual, R.V.M., 28 anos, está detido provisoriamente na 24ª Delegacia de Polícia (Setor O). A maior parte dos ataques ocorreu na cidade e teve vítimas com aparência semelhante.

Agentes da 24ª DP prenderam o suspeito em uma rua de Ceilândia, por volta das 6h30 de ontem, cumprindo mandado de prisão temporária. Na delegacia, as mulheres o identificaram por fotos e com a presença do acusado. As vítimas reconheceram a aparência e a voz.

Apenas na 24ª DP, R. é acusado de seis estupros. Somadas, as ocorrências nas outras três delegacias da cidade — 15ª, 19ª e 23ª — chegam a 17, totalizando 23 suspeitas somente em Ceilândia. Quando considerados os registros em delegacias especializadas, as acusações que se encaixam no perfil do preso sobem para 32. Os crimes começaram em agosto de 2008. Segundo o delegado-chefe da 24ª DP, Fernando Batista Fernandes, todas as ocorrências registram a mesma maneira de agir e a descrição física do criminoso.

Em Ceilândia, a maioria dos ataques se centrou no P Sul: cerca de 70%. Para os investigadores, o acusado, apesar de não ter endereço fixo, devia possuir local para ficar na região. Os horários dos ataques eram variados, sem concentração em um período do dia. Na maioria das investidas, o agressor se aproximava em um bicicleta ou em um carro, de modelo Fiat Uno. “Algumas vítimas foram ameaçadas com arma de fogo e uma relatou disparo”, detalhou o delegado.

Para Fernandes, R. buscava maneiras de minimizar as provas. Nos ataques registrados, não houve penetração. Segundo ele, as mulheres foram obrigadas a tocar e serem tocadas pelo agressor. Ele as forçava a fazer sexo oral. Segundo Fernandes, ao se adiantar e dizer, quando foi preso, que os policiais não encontrariam provas para incriminá-lo, o acusado reforçou as suspeitas. Os investigadores, porém, buscarão vestígios do material genético do acusado também nas roupas da vítimas.

Além da localização e do modo de agir, a polícia identificou semelhanças entre as mulheres abordadas. “Normamente, elas tinham o mesmo perfil, nenhuma aparência destoava muito. Pareciam até parentes”, frisa o delegado. Segundo Fernandes, elas eram morenas claras, magras e possuíam cabelos lisos. As idades das vítimas variaram entre 11 e 19 anos.

Orientado por advogado, R. se negou a depor. O acusado estava em regime semiaberto por um latrocínio cometido em 2004 e foi indiciado pelo crime de estupro. Se condenado, pode receber de 6 e 10 anos por cada crime. Agora, serão cumpridos mandados de busca e apreensão para recolher a bicicleta, o carro e roupas do acusado. Por enquanto, R. está detido em ala separada na 24ªDP. A prisão temporária dura 30 dias e pode ser renovada uma vez pelo mesmo tempo, para apuração do caso. Depois, deve ser pedida a prisão preventiva.


"Normalmente, elas (as vítimas) tinham o mesmo perfil, nenhuma aparência destoava muito. Pareciam até parentes"
Fernando Batista Fernandes, delegado-chefe da 24ª DP

publicidade

publicidade