publicidade

SAÚDE

Farmácia de Alto Custo fará atendimento a partir de hoje em novo endereço

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 10/05/2010 08:07

Naira Trindade

A Farmácia de Alto Custo da Secretaria da Saúde do Distrito Federal fará o atendimento à população a partir de hoje em novo endereço. As atividades, no entanto, serão inauguradas com problemas de acessibilidade. Instalada no subterrâneo da estação do metrô da 102 Sul, o ponto de entrega de medicamentos excepcionais não poderá contar com os dois elevadores de acesso, interditados há pelo menos uma semana por atos de vandalismo. Segundo vigilantes do terminal, um homem teria ateado fogo no teto dos elevadores, queimando as placas laterais. “Um vândalo pôs fogo nos elevadores e, por isso, está interditado. Já carregamos cadeirantes nos dois lances de escadas”, afirmou.

Daniel Ferreira/CB/D.A Press
A farmácia especial é responsável pela distribuição de remédios mais caros, como os indicados para o mal de Alzheimer, esquizofrenia, rejeição de órgãos transplantados, hormônio de crescimento, hepatite. O ponto de entrega dos medicamentos funcionava anteriormente em frente ao setor de emergência do Hospital de Base, lugar que ficou conhecido pelas enormes filas de pessoas à espera de receber remédios de alto custo.

A mudança de prédio ocorreu durante o fim de semana e, segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde do DF, daria mais acessibilidade e conforto às pessoas. A área foi expandida de 200m² para 500m². O novo espaço vai contar com um farmacêutico, que terá um consultório para orientações aos pacientes. A assessoria também informou que a intenção de colocar a farmácia próxima ao metrô seria para facilitar o acesso aos passageiros, que desceriam na estação, retirariam o medicamento e voltariam ao sistema de transporte sobre trilhos.

Sem medicamentos
A falta de medicamentos é um problema recorrente da Farmácia de Alto Custo. Na semana passada, o Correio publicou o drama de pessoas que não conseguem remédio na rede pública para dar continuidade aos tratamentos. Entre as principais reclamações, havia a falta de atorvastatina 10 ml e 20 ml (contra colesterol alto, com custo entre R$ 50 e R$ 70 a caixa com quatro comprimidos); de hidróxido férrico (cada ampola indicada para o tratamento de anemia custa R$ 700); e de clozapina 100 ml (para transtorno bipolar, cada caixa vale R$ 178).

A Secretaria de Saúde do DF alegou que a compra desses remédios está em fase de negociação com a empresa ganhadora do processo de licitação. Já a aquisição de adalimumabe (para portadores da doença de Crohn, que ataca o intestino), o qual a caixa com duas ampolas custa R$ 7.740, a assessoria disse está em fase de licitação, mas aguarda parecer da Procuradoria-Geral do DF.

Quem sofre com o problema pode recorrer ao Núcleo de Saúde da Defensoria Pública do Distrito Federal. Para isso, basta reunir a documentação necessária — como laudos, exames e prescrições médicas — e dar entrada em um processo ágil. A liminares são concedidas no mesmo dia da entrada da ação e, uma vez ganha, a Secretaria de Saúde do DF tem 24h para realizar a compra emergencial do medicamento. A assessoria do Metrô não atendeu as ligações para comentar a interdição dos elevadores da Estação 102 Sul.

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO
O atendimento ao público na Farmácia de Alto Custo da Secretaria de Saúde do DF será de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, sem intervalo para almoço, na Estação 102 Sul. A solicitação do medicamento pode ser feita no posto de entrega ou pela internet. É preciso apresentar receita e relatório médico, registro de identidade, CPF e os exames que constatam a doença. Mais informações: www.saude.df.gov.br.

publicidade

publicidade