cidades df

DECISÃO » Após 13º caso de suicídio, Justiça autoriza Pátio Brasil a fechar área externa Depois da 13ª morte, no domingo último, Justiça autoriza shopping da Asa Sul a dar continuidade ao fechamento de sua área externa. Construção estava embargada

Helena Mader

Publicação: 28/05/2010 09:17 Atualização:

Depois do 13º caso de suicídio no Pátio Brasil, registrado no último domingo, a Justiça autorizou a administração do centro comercial a concluir as obras de fechamento da área externa. A construção começou em março deste ano, mas foi embargada pela Administração de Brasília. Como os recursos administrativos apresentados ao governo não surtiram efeito, o shopping recorreu ao Tribunal de Justiça do DF. Na última segunda-feira, a 8ª Vara de Fazenda Pública determinou a suspensão do embargo e a retomada imediata das construções.

Obra para o isolamento foi vetada pela Administração de Brasília. O centro comercial recorreu à Justiça e conseguiu liminar para reverter o embargo (Carlos Silva/Esp. CB/D.A Press
)
Obra para o isolamento foi vetada pela Administração de Brasília. O centro comercial recorreu à Justiça e conseguiu liminar para reverter o embargo
O Pátio Brasil investe R$ 10 milhões nas obras de revitalização, que incluem o fechamento do vão central com parapeito de acrílico e o isolamento da área externa do último piso. A reforma da parte interna já está pronta e falta apenas o cercamento da varanda. A obra foi embargada pela Administração de Brasília em 20 de abril. O governo alegou que o shopping não tinha alvará nem licença para fazer a construção. Mas todos os projetos elaborados pelo centro comercial foram previamente aprovados pela administração regional, sem qualquer restrição.

Antes do embargo, os funcionários tiveram tempo apenas de cobrir parte da varanda com uma estrutura metálica. Com a paralisação, as chapas e o material de construção permanecem no local, expostos à chuva e ao sol. A proteção de ferro que antes protegia o parapeito foi removida, deixando a área ainda mais perigosa. Apesar do controle feito por seguranças, é impossível impedir completamente o acesso. Às 15h54 do último domingo, um homem de 56 anos se jogou da sacada, depois de atravessar tranquilamente os corredores do shopping. Foi o primeiro caso desde março do ano passado e também o único registrado depois do fechamento do vão central. Pai de dois filhos menores de idade, ele sofria de depressão e tomava medicamentos controlados, segundo depoimentos de sua mulher à 5ª Delegacia de Polícia (área central de Brasília).

Na decisão em que liberou a continuidade das obras no Pátio Brasil, o juiz Donizeti Aparecido da Silva chamou a Administração de Brasília de “omissa” no caso do embargo. “A administração sequer ofertou as imprescindíveis informações acerca da situação do processo administrativo, colimando (visando à) a expedição da licença para a execução das obras, e, por consequência, ignorada a motivação da sua inércia.”

O magistrado afirmou ainda que a administração não pode “se omitir da sua obrigação, albergada por uma burocracia desmedida e irresponsável”. Para o juiz, a retomada das obras com urgência é importante, “pois suicídios continuam acontecendo, sem providência alguma do poder público, situação com a qual não é permitido ao Judiciário compactuar”.

Cronograma alterado
Antes do embargo, o cronograma das obras previa término em 10 de maio. Como as equipes foram dispensadas, toda a logística terá que ser repensada e será preciso fazer um novo calendário para a construção. O superintendente do Pátio Brasil, Leonel Taffarel, explica que a expectativa é retomar a obra o mais rápido possível, possivelmente já na semana que vem. “Lamentamos muito a inércia do governo nesse caso, que acabou custando mais uma vida. Mas com a decisão da Justiça, poderemos retomar a construção rapidamente. Não queremos que haja mais nenhuma morte”, afirma.

Além do objetivo de poupar vidas, o shopping também não quer mais ver seu nome envolvido com casos de suicídio. Na tarde da última quarta-feira, uma senhora foi à administração do Pátio Brasil, que fica no começo da Asa Sul, cobrar providências para evitar novas ocorrências como essa. Ela recebeu um e-mail com relatos do ocorrido no último domingo e resolveu saber o que está sendo feito para coibir mais mortes. Uma funcionária da administração informou à cliente sobre as obras e sobre o fechamento da área externa.

"Com a decisão da Justiça, poderemos retomar a construção rapidamente. Não queremos que haja mais nenhuma morte"
Leonel Taffarel, superintendente do Pátio Brasil


GDF aponta falta de licença

O embargo da construção no Pátio Brasil foi executado pela Agência de Fiscalização do GDF, por determinação da Administração de Brasília. A assessoria de imprensa da administração informou que o projeto de engenharia do shopping só havia sido aprovado “preliminarmente” e destacou que o centro comercial não poderia começar a construção antes da emissão da licença e do alvará. A Administração de Brasília disse ainda que a obra foi embargada porque a construção ocuparia espaço público aéreo maior do que o previsto na legislação.

O superintendente do Pátio Brasil, Leonel Taffarel, nega a informação. Ele garante que a aprovação foi definitiva e mostra os documentos com o carimbo da Administração de Brasília. “Não foi feita nenhuma exigência, nada. Recebemos os projetos com o carimbo de aprovação e começamos as obras. Nada foi feito sem o aval do governo. Por isso, ficamos surpresos com o embargo e recorremos à Justiça”, afirma Taffarel.

Questionamento
Antes da decisão judicial, a interdição da construção do Pátio Brasil foi questionada também pelo Ministério Público. No último dia 20, quatro dias antes de o shopping obter liminar favorável, a procuradora distrital dos Direitos do Cidadão, Maria Anaídes do Vale Siqueira Soub, enviou um ofício à Administração de Brasília pedindo informações sobre o caso e determinando que os técnicos do governo apresentassem sugestões para alterações do projeto do shopping, de forma a adequá-lo à legislação. (HM)


Memória
Reação após reportagem

As obras de revitalização do Pátio Brasil começaram em junho do ano passado, um mês depois de o Correio publicar reportagem sobre os recorrentes suicídios no local. A matéria foi motivada por um caso ocorrido em março de 2009. Pedro Lucas, de 21 anos, se jogou do quarto piso na manhã do dia 9 daquele mês, logo depois da abertura do centro comercial. Em carta encaminhada à Superintendência do Pátio Brasil, o pai do jovem fez um apelo emocionado pedindo providências para que não houvesse outras mortes. Desde a inauguração, já tinham sido registradas 12 ocorrências de suicídio no local. Com o caso do último domingo já são 13.

Depois da reportagem do Correio, o desembargador do Tribunal de Justiça do DF e Territórios Roberval Casemiro Belinati provocou o Ministério Público a intervir na situação e exigir do shopping medidas concretas para evitar novos casos. Em 6 de junho do ano passado, o shopping começou as obras, cuja principal mudança consistiu no fechamento do vão central. (HM)

Esta matéria tem: (24) comentários

Autor: Loraine Tib
Quem quer se matar o faz em qualquer lugar... E o que alguém sabe sobre a vida e os problemas dessa pessoa? | Denuncie |

Autor: Nalva santos
Por que a "galera" da AGEFIS, IPHAN, ADM. de Brasília e etc, não dá um jeitinho na construção e ocupação da orla do Lago? Ali só tem "Pier Brasília". | Denuncie |

Autor: Silvio Soares
Deixem esses loucos se suicidarem, pois essas pessoas não tem conserto. Os suicídios vem aumentando em todo mundo, devido às drogas, às decepções, à depressão e principalmente pelo desajustes familiares, imposto pela evolução/modernidade, é preciso repensar a família e suas responsabilidades | Denuncie |

Autor: Ivo Augusto
Estudos mostram a relação do suicídio com a depressão por uso de drogas. Muitas pessoas se suicidam durante a fase de depressão pós consumo de cocaína e outras drogas com efeitos semelhantes. Isso é mais um reflexo do nosso Estado sem políticas públicas e famílias desagregadas e despreparadas. | Denuncie |

Autor: Francisco Vieira
Que tal o administrador pagar do próprio bolso a consequência do seu desinteresse e da sua inércia? | Denuncie |

Autor: Francisco Vieira
Este embargo me lembrou a construção das MURETAS do eixo rodoviário!!! para alguns alienados os prédios e a estética da cidade valem mais do que a vida humana! | Denuncie |

Autor: Diego Silva
Patio Brasil, um dos grandes shoppings da cidade, movimenta milhões por mês... CLARO que queriam propina pra liberar a obra!!!! Brasilia só funciona assim desde que Roriz apareceu! Propina pra lá e pra cá! | Denuncie |

Autor: Felippa Silva
CONCORDO com o Abel.AGEFIS é só MAIS UM CABIDE DE EMPREGO.Cadê que FECHAM AS PENSÕES NA W3 SUL?Só fazem BARULHO e mais nada além do que PERTURBAR os pobres dos AMBULANTES.Fecha logo AGEFIS,sr.Rosso não vê que é MAIS um órgão que NÃO serve para NADA?Hã?Acordo lindão. | Denuncie |

Autor: mamud ahmadinejad
É a primeira vez que vejo um projeto original ser modificado por suicidas. Não entendo porque os suicidas procuram exatamente esse shopping. Por que não atravassam uma rodovia, por que não se jogam da ponte JK ou tomam veneno.Será que é vontade de voar? Por que só esse local? Sacanagem de deprimidos. | Denuncie |

Autor: Daniel Luiz
Acabou a palhaçadas dos EMO's... Bando de retardados... Isso é falta de uma boa surra em casa... pulem dos seus próprios apartamentos, ou façam isso do telhado de casa... idiotas e doentes mentais. | Denuncie |

Autor: Adriano José Lima dos Santos
QUE LOCAL Amaldiçoado Acho que tem dogras no meio dessa galera que pulam lá. Sò pode!!! | Denuncie |

Autor: marcos assis
Um excelente shopping, bem localizado e com uma administração responsável ficar com um estigma tão ruim, é lamentável. Embargar uma obra necessária (e que não ofuscou a beleza do local) é ridículo. No Brasil é assim: tragédias primeiro até que a cega justiça possa acreditar. | Denuncie |

Autor: romerio batista
SRª CRISTIANE A JUSTIÇA MANDOU LIBERAR E NAO EMBARGAR QUEM EMBARGOU FOI A ADM DE BSB, TALVES QUERENDO UMA PROPINAZINHA COM DISSE O AUGUSTO REINALDO. | Denuncie |

Autor: Moacir Guimaraes
Enquanto isso a operadora de TV NET emporcalha o Plano e as satélites colando cartazes de publicidade em postes e muros, e nenhuma administração faz nada. | Denuncie |

Autor: Moacir Guimaraes
Burocratas filhos de boa mãe! Em vez de criar caso com uma obra limpa, organizada e necessária, deveriam fiscalizar as construções absurdas de puxadinhos, as ocupações irregulares de área pública e tantas outras bandalheiras que estão transformando o DF numa esbórnia. | Denuncie |

Autor: abel almeida
Para atrapalhar a vida de muitas pessoas essa agefiz trabalha mesmo ein, mas, em contrapartida para cassar alvarás de postos e bares barulhentos isso não acontece nunca, essa agefiz tem que ser extinta, não vale para nada mesmo, é sim uma cabide de emprego... | Denuncie |

Autor: Vinicius Castelo Branco P Coqueiro
Aff.. esses retardados vão ter que procurar outro ligar para se jogar... | Denuncie |

Autor: João Neto
Os familiares da última vitima (Sr de 56 anos) deveriam ingressar uma Ação na Justiça contra o Estado, uma vez que, como o juiz disse na decisão, a Administração foi omissa no embargo. Já que dão tanto jeitinho p/ liberar obras por aí, poderiam entao liberar um obra que salvaria muitas vidas! | Denuncie |

Autor: Cris Prado
o mais engraçado é que a AGEFIS libera obras sem licença do Ibama em área rural, aprova projeto irregular mas na hora de agir com eficiência a favor da sociedade eles declinam de suas habilidades . Meu Deus , que país é esse? | Denuncie |

Autor: Cris Prado
Eu assisti a 1 suicídio naquele shopping, acompanhada de 2 sobrinhos 1 de 4 e outro de 7 q viram tudo do elevador panorâmico e digo que nunca mais pisei la, depois soube da morte do lucas (irmão de um colega de trabalho) precisaram 13 pessoas morrerem p/q houvesse bom senso? | Denuncie |

Autor: igor guedes
Pq só o Pátio Brasil acontece isso? Virou moda é??? | Denuncie |

Autor: João Neto
12 pessoas ja haviam perdido a vida ali de forma tragica! O Shopping adotou as providencias visando evitar que fatos tragicos como esses voltassem a ocorrer! Aí veio o Estado e impediu o andamento das obras! Morreu mais uma pessoa! Parece ate que o Estado desejasse que mais pessoas morressem ali! | Denuncie |

Autor: Cristiane de Souza
É inacreditável como a Justiça só consegue agir contra a sociedade... embargar as obras é o mesmo que pedir para que tenha mais mortes no Pátio Brasil. | Denuncie |

Autor: Augusto reinaldo
Huuum, essa história libera embarga, me faz pensar se essa embargação não era pra ser pedido uma propina pra liberação. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE


  • Últimas notícias
  • Mais acessadas