cidades df

Mulher tem parto normal na rampa do hospital de Taguatinga

Publicação: 10/06/2010 11:18 Atualização: 10/06/2010 11:31

Uma mulher deu à luz um bebê na rampa do Hospital Regional de Taguatinga (HRT), na tarde desta terça-feira (8/6). O parto ocorreu após a bolsa da paciente estourar ainda na recepção. Sem apoio médico, a criança nasceu com ajuda dos próprios pacientes que esperavam atendimento no hospital.

Por volta das 14h, Elizangela Alves de Araújo, moradora de Águas Lindas, cidade a 47km de Brasília, chegou ao hospital sentindo contrações. Segundo a paciente, a bolsa estourou enquanto ela esperava o marido fazer a ficha de atendimento na emergência. “Duas mulheres que estavam ao meu lado perguntaram se eu conseguia andar até a maternidade, e elas me levaram”, explica. No entanto, a caminho do Centro Obstétrico (CO), Elizangela entrou em trabalho de parto, na rampa do HRT.

Para a paciente, o descaso ocorreu naquele momento. “Tinham funcionários do hospital perto, e fui socorrida pelos próprios pacientes. Depois que chegaram os médicos para cortar o cordão-umbilical e levar o meu filho”, explica. De acordo com Elizangela, após o nascimento do bebê, os médicos a levaram para o CO e retiraram a placenta. Mãe e filho receberam alta nesta quarta-feira (9/6), por volta das 16h, e passam bem.

Segundo o Hospital Regional de Taguatinga (HRT) não houve descaso no atendimento. A assessoria de comunicação informou que Elizangela entrou com o pedido de atendimento, às 14h14 de terça (8/6). Por volta das 14h26, enquanto caminhava para o centro cirúrgico, teve fortes contrações e entrou em trabalho de parto na rampa do hospital.

Ainda, de acordo com o HRT, a paciente foi socorrida por duas auxiliares que trabalham no setor de acolhimento. No local, um pediatra e um clínico-geral teriam realizado o primeiro atendimento e encaminhado Elizangela e o bebê para as instalações do hospital. No centro obstétrico, foi retirada a placenta, e foram feitos os atendimentos necessários.

Esta matéria tem: (27) comentários

Autor: cristina cristina
Além do que ela morava fora do DF, deve ser por isso, que a pobre mulher chegou ja tendo seu filho, sem sequer ter tido tempo de ser internada e acompanhada no seu trabalho de parto...E ses de saúde do municipio que a mulher provem? Nada a declarar? | Denuncie |

Autor: cristina cristina
A paciente chegou em periodo expulsivo...que culpa tem o HRT se ela chegou no ultimo periodo do trabalho de parto...nenhum trabalho de parto dura 12 min...ela passou o trabalho de parto em casa e veio ao HRT no final do mesmo...e ai nem deu tempo sequer de a consultório da ginecologia... | Denuncie |

Autor: Regina Pessoa
Não vejo elementos para afirmar que a mulher foi tratada como bicho, pouco importa a espécie. Não deu tempo de chegar à sala de parto, como tantos casos há relatados na imprensa (parto dentro de ônibus, na rua, no metrô, etc). A diferença é que, nesse caso, QUAAAAASE deu tempo. | Denuncie |

Autor: Lara Macêdo
O concursado que fica aqui implorando pela posse no serviço público é o mesmo que despreza seus clientes/pacientes depois que assume suas funções e mostra total indiferença ao sofrimento humano. | Denuncie |

Autor: Lara Macêdo
O atendimento hospitalar é um processo debaixo para cima e para o paciente a via crucis começa e termina nesta mesma direção. Os maus tratos a falta de informação o desgaste e o desprezo começam no atendimento e terminam nas cirurgias. | Denuncie |

Autor: Lara Macêdo
Importa de onde veio a paciente sim. Tenho certeza que todas parturiente prefere ser atendida próxima a sua casa com o menor desgaste possível e de forma humanizada. Mas sim ela foi tratada como bicho e nada indica que seria tratada menos como bicho se tivesse sido atendida em um hospital próximo. | Denuncie |

Autor: viviã silva
Não interessa de onde ela veio, ELA FOI TRTADA COMO UM BICHO, UMA VACA QUE PARE ALI MESMO NO CHÃO DO PASTO.Misericórdia se fosse comigo, me sentiria um nada, que humilhação, q descaso.Não tem nem o q argumentar´. É UM ABSURDO, NÃO TENHO NEM PALAVRAS... | Denuncie |

Autor: Getúlio Bernardo Morato Filho
Se destinassem os médicos e demais profissionais de saúde num hospital proximo de casa, com um salário adequado, com pacientes de emergencia na emergencia, os pacientes ambulatoriais em ambulatorios, uma recepção adequada, haveria menos queixas na saúde. E priorizar a prevenção e não apenas a doença | Denuncie |

Autor: Getúlio Bernardo Morato Filho
Infelizmente, falta vontade de resolver o problema de saúde no DF. A própria população não entende o sistema de saúde em que ela está inserida, por falta de iniciativa do governo de explicar. Infelizmente, o sistema de saúde ainda é uma forma de justificar gastos absurdos. | Denuncie |

Autor: Luciano Cabral
Peraí. Se ela deu entrada na emergência, por que é que teria que caminhar até outro setor do hospital? | Denuncie |

Autor: Arnaldo Filho
MEU DEUS, FICO IMAGINANDO SE TIVER QUE PRECISAR DESSES MATADOUROS DA SAÚDE. NÃO ESTAMOS LIVRES, E QUANDO PRECISAR É MELHOR PEDIR PRA MORRER EM CASA. QUE DECEPÇÃO, QUE VERGUNHA, ONDE CHEGAMOS. SOS,SOS,SOS,SOS | Denuncie |

Autor: Camilla Silva
Concordo com você Getúlio, não querendo tirar a culpa do governo local, mas a superlotação dos hospitais públicos do DF deve-se também ao motivo que pessoas de outros estados vem ao DF para serem atendidas, nas portas dos hospitais vemos várias ambulâncias que não são daqui. | Denuncie |

Autor: Juliana Buzzinaro
Concordo com você, Getúlio. Ninguém questiona porque essa senhora teve que sair da cidade dela e procurar hospital tão longe de casa para ter um parto NORMAL! Fácil é por a culpa de tudo no DF, que cresceu tanto e ainda precisa dar conta da assistência médica do entorno, S da Bahia e N de Minas! | Denuncie |

Autor: Andrea Souza
Maria Eymard...quer seu Arruda. Leva pra sua casa... Até parece que os hospitais ficaram assim depois q ele foi preso. | Denuncie |

Autor: Maria Arantes
Espero que a experiência vivida por esta cidadã, pese um pouco à consciência dos profissionais da área, para que eles possam atuar pensando no ser humano e não apenas no lado financeiro do caso. Que pese também a consciência da nossa comunidade, exigindo assim providências urgentes aos nossos gover | Denuncie |

Autor: Maria Arantes
Espero que a experiência vivida por esta cidadã, pese um pouco à consciência dos profissionais da área, para que eles possam atuar pensando no ser humano e não apenas no lado financeiro do caso. Que pese também a consciência da nossa comunidade, exigindo assim providências urgentes aos nossos gover | Denuncie |

Autor: Regina Pessoa
Normal não é, mas é possível. Pelo que conta a própria paciente (a bolsa estourou e ela entrou em trabalho de parto, a caminho da maternidade, enquanto o marido preenchia a ficha), foi o que ocorreu. Acho que devemos reservar críticas negativas para fatos concretos, e não para suposições. | Denuncie |

Autor: Getúlio Bernardo Morato Filho
Enquanto não se resolver a saúde do entorno, por incompetência do governo de Goias, pode botar o tanto de médicos que for que não dá conta dessa demanda. Se fosse ter o parto no local onde estava, certamente não teria corrido esse risco. A criança poderia ter nascido no ônibus ou na rua, inclusive. | Denuncie |

Autor: Getúlio Bernardo Morato Filho
Engraçado é ninguem comentar que essa paciente é de Aguas Lindas de Goias e ninguem questiona porque ela não teve o atendimento na cidade dela, pois parto normal não precisa ir até Taguatinga. Uma pessoa em trabalho de parto ter que viajar 47 km e a culpa é do HRT ? | Denuncie |

Autor: Daniela Rodrigues
Ai, ai... então de acordo com HRT, é normal ganhar bebê na rampa do centro cirúrgico, pelo amor de Deus é claro que foi um descaso sim do atendimento. | Denuncie |

Autor: Bela Silva
E não tinha nenhuma MACA para levar a paciente até o CO?Belo atendimento ela teve - que HORROR a SAÚDE PÚBLICA aqui em BSB.Ao invés do GDF financiar peça teatral CAIXA DE PANDORA,pq NÃO OLHA PARA OS HOSPITAIS E COLOCA DINHEIRO NELES?!?Más NÓS MORTAIS que se LASQUEM com o ATENDIMENTO nos HOSPITAIS. | Denuncie |

Autor: vera sousa
O hospital vai negar que não houve descaso, mais acontece pois quando chega uma mulher para ganhar nenem que a bolsa estora eles acham que vai demorar o bebê nascer mais em muitos casos é tão rapido que todos ficam surpresos. | Denuncie |

Autor: Paulo Sousa
Enquanto a velha chata mulher do RORIZ por estar passeando pela cidade gastando o nosso dinheiro sofreu um acidente ela foi para os ESTADOS UNIDOS fazer curativo, os eleitores troxas desse ENGANA BESTAS sofrem humilhações nas filas de hospitais, pobre tem mesmo é que se F...... | Denuncie |

Autor: Francisco Vieira
É curioso, mas um bacana saudável não pode esperar mais de meia hora na fila de um banco, enquanto um doente sentindo dores pode esperar atendimento indefinidamente... ou até morrer... | Denuncie |

Autor: maria eymard
VÃO JOGAR A CULPA NO AUGUSTO DE CARVALHO?NO ROSSO?E DEP.ÉRIKA QUE TEM A VER O ..COM AS CALÇAS,O BENTO MARSHAL JA CHEGOU,ELE É O HOMEM Q RESOLVE AS POLUIÇÕES SONORAS,JÁ TÁ TODO MUNDO SURDO MESMO,O LULA É UM ,NÃO ESCUTA NADA,E PIOR,NÃO TÁ VENDO NADA E NÃO SABE DE NADA...QUERO MEU ARRUDA. | Denuncie |

Autor: maria eymard
ARRUDA TEM DE VOLTAR.....UNS PAGAM SESTAS BASICAS,OUTROS COMO O JOÃO ALVES,TRABALHAM NAS ADMINISTRAÇÕES PRESTANDO SERVIÇO PÚBLICO...NÓS OS ELEITORES..QUEREMOS QUE ARRUDA pague também mas como GOVERNADOR,GARANTO QUE SE ELE VOLTAR A embromação acaba..ARRUDA EM QUEM VOTAREMOS??? PRECISAMOS DE VOCE. | Denuncie |

Autor: maria eymard
E a culpa e do Arruda? Tanta sacanagem pra tirar o Arruda dizendo que ele roubava,imagina,mesmo roubando então,BRASILIA NUNCA TEVE MELHOR GOVERNADOR,injustiça com os eleitores,QUERO MEU ARRUDA,QUERO QUE A JUSTIÇA O OBRIGUE A FAZER SERVIÇO PÚBLICO ,PARA PAGAR OS PREJUIZOS AO CIDADÃO,COMO GOVERNADOR. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Envie sua história efaça parte da rede de conteúdo do grupo Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.


  • Últimas notícias
  • Mais acessadas