publicidade

Com poucos táxis no DF, qualidade do serviço é criticada pela população

A média é de um veículo para cada grupo de 755 brasilienses. Governo garante que licitação de 646 permissões sairá do papel até outubro e deve reduzir deficit nas cidades do DF

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 16/03/2013 06:08 / atualizado em 16/03/2013 16:03

Adriana Bernardes

Breno Fortes/CB/D.A Press


Em Brasília, há um táxi para 755 moradores. A comparação com outras capitais revela o que o brasiliense já sabe: a frota é insuficiente para atender a demanda. Levantamento do Correio revela que a proporção de veículos por habitante em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Belo Horizonte é bem menor. Na capital carioca, cada grupo de 191moradores é servido por um carro. Apesar da insatisfação do usuário com a escassez de automóveis e com os desmandos por parte dos motoristas — que recusam viagens curtas, reclamam das bagagens e são grosseiros —, a categoria reivindica aumento na tarifa de 24%.

Por essas razões, a possibilidade de reajuste é criticada pela população. Morador do Sudoeste, Rafael Augusto França, 35 anos, usa táxis todos os dias para ir ao trabalho, no Setor Bancário Sul, e critica a demora no atendimento. “Depois das 8h30, quando começa o horário de pico, sempre espero uns 40 minutos para conseguir um carro”, revela. A falta de agilidade já criou problema para o bancário. “Cheguei atrasado auma reunião porque um taxista demorou para me buscar”, cita. Amiga de Rafael, Cristina Malheiros, 43, também reclama. “A capacitação desses condutores deveria ser priorizada pelo governo. Já tive de pegar veículos com motoristas muito mal educados”, reclama.

publicidade

publicidade