#PaiGourmet: "Cozinho por prazer, não por obrigação"

Qual é o estilo do seu pai? Correio mostra, partir de hoje, diferentes perfis em comemoração ao Dia dos Pais, em 9 de agosto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/07/2015 15:05 / atualizado em 22/07/2015 15:05

Ana Victória Neddermeyer/Divulgação

 

Cada pai tem seu estilo. Tem o nerd, o dos negócios, o atleta e, claro, o pai cozinheiro. Há muito tempo, a cozinha deixou de ser território exclusivo das mães e cada vez mais os pais ganham espaço e inovam no fogão - mas não é só fazendo a clássica piada do “é pavê ou para comer?”. Afinal, não há nada melhor que uma comidinha caseira, com um toque especial do paizão. “Cozinho porque gosto, por prazer. Não é uma obrigação”, conta Alexandre Azevedo, sommelier e pai de duas adolescentes.

Leia mais notícias em Cidades

A paixão pela cozinha começou ainda na infância e Alexandre aprendeu tudo que sabe com a mãe. “Sempre tive muita curiosidade, via minha mãe cozinhando e ajudava”, diz ele, que é de família mineira. Hoje, o sommelier ajuda a mulher a fazer o jantar todos os dias quando chega do trabalho e, no fim de semana, comanda a cozinha sozinho. “Minhas filhas gostam de tudo um pouco diferente, uma massa com camarão, uma carne com molho especial”, orgulha-se. Para inovar ainda mais na cozinha Alexandre fez, em junho, um curso de culinária.

 

O trabalho como sommelier só aumentou o interesse pela culinária. Quando entrou para o ramo, Alexandre visitava a cozinha do restaurante em que trabalhava e sempre observava o chef, enchendo-o de perguntas. O conhecimento em vinho também é bastante útil no preparo das comidas em casa e ele dificilmente cozinha sem a companhia de uma taça de tinto ou espumante. “E uso nas receitas”, explica. O vinho branco é usado, por exemplo, na base do risoto, prato preferido da mulher.

Dia a dia

Eloísio Claudino, assim como Alexandre, também começou a cozinhar ainda criança, com 10 anos, por influência da mãe. “Tinha muitos irmãos, então sempre precisava ajudar com a comida”, conta o aposentado. Hoje, ele toma conta da cozinha em casa, mas afirma que não é nenhum Olivier: “Sou o cozinheiro do dia a dia”. Mesmo assim, a comida faz sucesso.

Feijoada, massas, galinhada e bacalhau são os pratos preferidos da família de Claudino. Em ocasiões especiais, como as ceias de Natal e de Ano Novo, o mineiro prepara algumas especialidades típicas, cabrito assado e pernil recheado. E os filhos aprovam o cardápio: “Tudo que eu faço eles gostam.”

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.