SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Policial federal que matou homem em barco no lago continua trabalhando

Ricardo Matias Rodrigues, 44 anos, trabalha no edifício sede do Departamento de Polícia Federal, no Setor de Autarquias Sul, conhecido como Máscara Negra. A PF informou que vai instaurar processo administrativo disciplinar para apurar a conduta do agente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/10/2016 14:48 / atualizado em 10/10/2016 16:51

Isa Stacciarini

Antônio Cunha/CB/D.A Press
 

A Polícia Federal vai instaurar um processo administrativo disciplinar para apurar a conduta do agente Ricardo Matias Rodrigues, 44 anos. O agente trabalha no edifício sede do Departamento de Polícia Federal, no Setor de Autarquias Sul, conhecido como Máscara Negra. Ele atirou contra dois homens durante uma festa no barco Lake Palace no Lago Paranoá na noite de sábado (8/10).

 

O funcionário do setor de tecnologia da informação do Banco do Brasil, Cláudio Muller Moreira, 47 anos, não resistiu e morreu após ser socorrido. A outra vítima, Fábio da Cunha Correia, 36 anos, recebeu alta nesta segunda-feira (10/10) do Hospital de Base do Distrito Federal.


O caso aconteceu entre 22h20 e 22h40 de sábado. Segundo depoimentos de testemunhas e envolvidos à Polícia Civil, o crime teria sido motivado por causa de uma briga de mulheres. Após atirar contra os dois homens, Ricardo se apresentou espontaneamente à 5ª Delegacia de Polícia (Setor Central) acompanhado da mulher, Renata de Andrade Silva, 35 anos. A Polícia Civil apreendeu a arma do agente da PF, uma pistola da marca Glock.

 

Leia mais em Cidades 

 

Cláudio Müller deixou a mulher, Valderly da Silva Feitosa, 30, com quem era casado há 13 anos, uma filha de 9 anos e outra de 20. Esta última de um casamento anterior. O corpo dele começou a ser velado na capela 3 do Cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul. O enterro está marcado para às 17h. No perfil da vítima nas redes sociais ele se descreve como “trabalhador, esposo e pai de duas princesas”.

 

Em conversa por telefone com a reportagem do Correio neste domingo (9/10), Vanderly desabafou. “É um absurdo acontecer isso em uma festa que só tem família. Ele era uma pessoa do bem, um pai de família, trabalhador e cheio de sonhos e expectativas. Faltavam só dois anos para ele se aposentar. Estávamos cheios de planos”, recordou. A festa de aniversário de três amigas aconteceu no barco Lake Palace, ancorado no píer do Motonáutica.

 

O evento transcorreu normalmente e os convidados começavam a ir embora quando a confusão começou. Vanderly contou, em depoimento, que foi ao banheiro no fim da festa e, ao sair, uma das aniversariantes a agrediu com três tapas na cara e palavras de baixo calão. Ela contou para Cláudio, que foi tirar satisfação. Fábio apoiou o amigo. O policial federal contou em depoimento que a mulher, Renata de Andrade Silva, era promoter da festa, e tentou intervir na briga entre os dois homens e a aniversariante. Na versão de Ricardo, a dupla passou a agredi-la e ele decidiu sacar a arma. Nesse momento, eles teriam investido contra o policial, que disparou.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
marcos
marcos - 13 de Outubro às 08:56
Não estou julgando ninguém, mas tive um amigo que tinha uma esposa que gostava de arrumar confusão para este meu amigo resolver, já que era faixa preta de judô. Um belo dia, ela arrumou confusão dizendo que um operário a havia molestado - só que ninguém viu isso. Meu amigo foi lá resolver a questão e como resultado apanhou como nunca tinha apanhado na vida !! Resultado: nunca mais a tal esposa arrumou confusão para ele ir "resolver" ... Não estou comparando com ninguém, que fique bem claro !
 
Fábio
Fábio - 11 de Outubro às 13:28
Absurdo, cara viúva, é um policial (que se indentificou como tal), ter precisado sacar sua arma para se defender e ainda ter sido enfrentado por dois bêbados. Caso ninguem saiba, o policial tambem era pessoa de bem e sem passagens policiais.
 
Ueslei
Ueslei - 10 de Outubro às 18:22
E daí? Quando se comete homicídio com ou sem legítima defesa se ganha o direito de não trabalhar? ou apenas se ele for condenado a regime fechado? aff... que notícia.....

publicidade