SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Show beneficente arrecada fundos para reforma de postos de segurança

Espaços servirão como salas para aulas práticas da instituição

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

Carlos Vieira/CB/D.A Press


A comunidade da Escola de Música de Brasília (EMB) ganhou um novo efetivo de salas de aulas: vinte postos comunitários de segurança que foram desativados pela Polícia Militar serão transformados em espaços para os estudantes. Já se encontram no terreno da instituição 15 unidades. Como a maioria chegou ao local depredada, com sinais de ferrugem e com pichações, no próximo domingo um show beneficente arrecadará fundos para garantir os reparos necessários.

Desde que o primeiro postinho deixou o Colorado, em 22 de agosto, os recursos para transporte, instalação e manutenção das cabines têm sido arcados de maneira colaborativa, segundo o professor de iluminação cênica Aldo Bellingrodt. “Uma aluna minha, que é arquiteta, e outro estudante, técnico em eletricidade, vêm auxiliando. Um engenheiro também está fazendo assessoramento técnico”, conta. Embora haja módulos em bom estado de conservação, alguns são apenas a carcaça — ventiladores, armários, balcões e interruptores foram levados. Outros nem sequer têm portas ou janelas.

Aos poucos, professores e estudantes encontram soluções para deixar as salas prontas. Vasos de flores enfeitam o interior de alguns postos e plantas foram colocadas ao redor da estrutura. “A EMB não teria condições financeiras de fazer os reparos que precisamos realizar, mas temos o empenho da comunidade escolar, que tira dinheiro do próprio bolso para fazer acontecer”, afirma Bellingrodt.

O próximo passo será promover um show beneficente, idealizado pela ex-aluna de piano Yrian Mota. “Se hoje estou matriculada em uma faculdade de música em outro país, devo isso à EMB. Pensei que alguém precisava organizar um show, mesmo que a arrecadação desse apenas para resolver alguns poucos problemas”, relata Yrian, que é bolsista na Juilliard School, em Nova York, onde cursa bacharelado em trilhas sonoras e piano jazz. Seis apresentações com artistas locais ocorrerão no evento, com jazz, choro, canções populares de capoeira e música instrumental autoral.

Patrimônio público
A ideia de transformar os postos desativados da PM em salas de aula foi da professora de canto erudito Denise Tavares. O Governo do Distrito Federal (GDF) transferiu os módulos para a Secretaria de Educação do DF (SEDF), que os repassou, sem custos, à EMB. De acordo com Denise, no entanto, as 84 salas da escola não são suficientes para atender os 2.690 alunos matriculados, que estudam pela manhã, à tarde e à noite. “No período vespertino, há aulas ocorrendo próximo aos banheiros, e mesmo salas administrativas são usadas para dar aula”, relata (leia Memória).

O estudante de contrabaixo acústico Vinicius Corducci, 25 anos, costuma estudar em um dos corredores. “Fica um forno ali. Já no jardim do bloco de cordas, vou me movendo conforme a sombra. O clima muda bastante as condições de execução do instrumento”, afirma. Os alunos de violão popular Emanuel Paiva, 18, e Paulo Chaves, 24, também encontra meios alternativos para os estudos. “Às vezes, lota de gente estudando no corredor principal, e sigo para debaixo de árvores. Mas acontece de já ter gente nas árvores também”, conta Emanuel. Aluna de oboé, Julia Ribeiro, 15, busca nos gramados um local de concentração. “O oboé faz muito barulho, e tem gente estudando teoria. Vai ser bom ter um ambiente para praticar sem ter de me preocupar em não atrapalhar outras pessoas”, disse.

Como verbas suficientes para a reestruturação da EMB nunca foram repassadas, a professora Denise enxerga nos postinhos uma grande vitória. “A dimensão deles é de 24m², enquanto a maioria das nossas salas tem 9m². Eles têm uma camada de isopor de 15cm que proporciona isolamento acústico e térmico. Com esses 20 postos, aumentaremos em 24% o número de salas de aula da escola”, comemora.

Os postos comunitários de segurança começaram a ser inaugurados em 2008 e, hoje, menos da metade das 131 unidades estão em funcionamento. Em junho de 2015, o comando da PM anunciou o fechamento de 60 postos, com a justificativa de não haver efetivo suficiente para colocar nas unidades restantes. A PM informou que está sendo feita uma reavaliação dos postos restantes e que vão permanecer somente algumas unidades, consideradas estratégicas para a corporação. “Todos os postos que apresentem bom desempenho e atendam de forma satisfatória, constituindo-se em ponto de referência policial para a comunidade, serão mantidos. Os demais, serão substituídos por viaturas, o que garante maior agilidade por parte do policial e rapidez no atendimento de ocorrências”, diz a nota.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.   

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade