SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Justiça analisa pedido de devolução da presidência da Câmara à Celina Leão

Distritais voltam a ter caminhos políticos cruzados na Justiça, que analisa, amanhã, em pedido que pode dar à presidente afastada da Casa o retorno ao trono. No dia seguinte, clã Roriz vai à berlinda, pondo em risco os direitos políticos de Liliane

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/10/2016 06:00

Otávio Augusto

Carlos Silva/CB/D.A Press - 11/8/11
Há dois meses a capital federal assistia atônita ao escândalo que acabou por deflagrar a Operação Drácon, que apura a suposta cobrança de propinas sobre créditos orçamentários da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), no valor de

R$ 30 milhões, para o pagamento de dívidas do governo com empresas de UTI. O caso denunciado pela deputada Liliane Roriz (PTB), que enfrenta um processo de cassação de mandato, ficou conhecido como UTIGate. A fraude envolve um quarto da Câmara, inclusive parlamentares do alto escalão (leia Entenda o caso). A Justiça tomou uma decisão inédita e da mesma magnitude: afastou toda a Mesa Diretora da Casa, incluindo a então presidente, Celina Leão (PPS), acusada de participar do esquema. Nesta semana, os destinos de Celina e Liliane voltam a ter os caminhos políticos cruzados: a primeira pode retomar o cargo de chefe do legislativo. A outra, se tornar ficha suja.

Amanhã, o Conselho Especial do Tribunal de Justiça analisa o pedido de reconsideração da decisão que tirou Celina do comando da Câmara. Na quarta-feira, a 5ª Turma Cível conclui o julgamento da ação de improbidade administrativa que pode suspender os direitos políticos de Liliane por dez anos — a decisão influencia diretamente o processo de cassação da parlamentar na CLDF. Trata-se de uma das maiores questões do legislativo local em seus 25 anos de atuação. O desfecho das duas situações pode criar uma reviravolta no cenário político do DF.

Leia mais notícias em Cidades

Sob o argumento de que era “dispensável” o Ministério Público (MPDFT) pedir o afastamento da Mesa Diretora no fim de semana, a defesa de Celina questiona o fato de a decisão ter vindo de um desembargador plantonista. O advogado Eduardo Toledo ainda entende que o caso deveria ter sido julgado pela Justiça Federal, por envolver suspeita de crime de evasão de divisas e lavagem de dinheiro — considerados crimes federais. “Estamos discutindo a ausência de fundamentação para afastar a deputada da presidência. A medida drástica não levou em consideração que Celina não atrapalhava as investigações e que não há indícios de que as práticas continuavam. A matéria se refere a acontecimento de meses antes, em dezembro”, explica Eduardo.

A ação, que pede retorno dos parlamentares à Mesa Diretora, representa apenas os interesses de Celina. Entretanto, com uma eventual reconsideração da Justiça, os outros três deputados afastados — Raimundo Ribeiro (PPS), Júlio César (PRB) e Bispo Renato Andrade (PR) — também podem ser beneficiados e voltam a exercer as funções no comando da Casa. Apesar do afastamento, os distritais mantêm os mandatos.

Análise governista
A composição da nova Mesa Diretora da Câmara Legislativa colocou na linha de frente deputados distritais aliados do governador Rodrigo Rollemberg (PSB). A começar pelo presidente em exercício da Casa, Juarezão (PSB), que migrou para o partido do chefe do Executivo local há sete meses. A hipótese de os distritais afastados retornarem ao comando da Câmara, sobretudo Celina, desagrada o Palácio do Buriti. Para o Executivo local, Juarezão tem função estratégica, apesar da pouca experiência como liderança, por ser da base aliada.

Com as bênçãos do governador, o distrital lançou-se para a disputa à vice-presidência e saiu vitorioso com 14 votos. O parlamentar foi um dos personagens do escândalo dos grampos no Buriti. Em uma conversa com Rollemberg, outros parlamentares e assessores, o deputado disse que o governo sofria derrotas na Câmara porque “não estava dividindo o bolo” igualmente.

Alto escalão
Celina Leão (PPS) e os deputados Raimundo Ribeiro (PPS), Júlio César (PRB) e Bispo Renato Andrade (PR) deixaram a Mesa Diretora da Câmara Legislativa em 22 de agosto, após a Justiça acatar a acusação do Ministério Público (MPDFT), de que a presença deles atrapalharia as investigações. No mesmo dia, o desembargador Humberto Adjuto Ulhoa também determinou o cumprimento de 14 mandados de busca e apreensão e oito de condução coercitiva — quando a pessoa é obrigada a prestar depoimento.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Hildo
Hildo - 17 de Outubro às 21:56
Heloisa Helena do Cerrado. .. Sonhou alto e vai acabar no Ostracismo - Hildo Evaristo
 
CONSTANTINO
CONSTANTINO - 17 de Outubro às 18:31
a justiça bem que poderia aproveitar a ocasião e fechar essa tal de câmara legislativa, que é de uma inutilidade a toda prova.
 
Vivalde
Vivalde - 17 de Outubro às 16:46
Absurdo!!! Esta vadia corrupta deveria estar sim é na Papuda. Por muito anos.
 
Wilson
Wilson - 17 de Outubro às 12:00
Espero que as duas percam seus direitos Políticos. Quero ver essa gente toda no Xadrez e devolver toda grana surrupiada aqui do DF. O histórico da família Roriz todos já sabemos, agora, o mais importante, tenho visto que estão deixando de lado. A sra. Liliana, todos nós sabemos que não é nenhuma santinha, muito pelo contrário. Mas e as denúncias delas sobre a outra mais encalacrada em denúncias com áudios e vídeos, a Ex Presidente da Câmara Legislativa Celina Leão, e toda sua mesa Diretora que comandou e ainda comanda todas essas denúncia de roubalheiras por todo o DF, propinas em Emendas da Saúde, Buscas e Apreensões , Conduções Coercitivas , , Celina fala sobre mudança de finalidade de uma emenda parlamentar que direcionou R$ 30 milhões da sobra orçamentária da Câmara a um grupo de seis empresas que prestam serviço de UTI. Segundo as denúncias, o repasse acabou beneficiando deputados da Mesa Diretora.... e Isso tudo ninguém diz mais nada , nada se faz, pouco se ver falar na Mídia aqui em Brasília, parece que estão todos com Rabo Preso.. E aí onde está MPF, onde está a Polícia Federal, onde estão os Procuradores , cadê a Polícia gente?? Alguma coisa tem que ser feita, vamos lá minha gente, Vamos Bater Panelas senão tudo cai no esquecimento e essa Gentalha toda acaba numa boa e ainda pode voltar a comandar a política aqui de Brasília, sendo reeleitos e tudo mais.. ninguém merece uma sacanagem dessa.
 
deusdede
deusdede - 17 de Outubro às 11:07
Não entendo, o que eles estão fazendo na CLDF. Vejo com frequência eles na tribuna. Gostaria de saber o que a Presidente afastada Celina vai dizer sobre o vídeo em que aparece funcionários portando pasta dias antes da operação DRAGON. O MP acredito eu, que deve também investigar quem informou sobre a operação. Minha opinião.
 
Marcus
Marcus - 17 de Outubro às 09:58
Dá nojo,ver estas figuras,ainda soltas.Essa (casa) deve ser fechada já!

publicidade