SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Policiais Civis paralisam atividades nas delegacias do DF por 24 horas

Agentes da Polícia Civil registrarão ocorrências de flagrantes e crimes relacionados à Lei Maria da Penha, apenas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/10/2016 09:30 / atualizado em 17/10/2016 11:47

Thiago Soares

SinpolDF/Divulgação
 
O atendimento nas delegacias da Polícia Civil no Distrito Federal está paralisado nesta segunda-feira (17/10). Durante o movimento de 24 horas, só serão registrados flagrantes e crimes relacionados à Lei Maria da Penha. O ato dos policiais civis é para chamar atenção para questões internas da corporação, como o retorno de sete unidades em escala direta e também a ausência de negociações com o o Governo do Distrito Federal (GDF), segundo o Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol-DF).

Leia mais notícias em Cidades

A paralisação iniciou às 8h desta segunda-feira e tem duração de 24 horas. Durante esse período, as portas das delegacias estarão fechadas, com agentes orientando sobre o movimento. "Já tem um mês que a categoria não é chamada para negociações. Além dessa ausência, estamos percebendo que o governo está com um tratamento diferenciado entre a PC e a Polícia Civil. Os militares receberam um reajuste no auxílio moradia", detalhou Rodrigo Franco, presidente do Sinpol-DF.

Os policiais também protestam contra a reabertura de sete delegacias em plantão de 24 horas. Durante o movimento reivindicatório por reajuste salarial de 37%, o Departamento de Polícia Circunscricional (DPC) decidiu fechar unidades sem equipe completa (agentes, escrivães e delegados) após as 19h. Mas, pressionado pelo Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT), que recomendou a suspensão da ordem, o diretor-geral da Polícia Civil, Eric Seba mandou voltar o funcionamento sem interrupção. "Não temos efetivo suficiente para isso. Os plantões estão com número insuficiente de policiais", afirmou Franco.

Em nota, o Sindicato dos Delegados de Polícia do DF (sindepo) informou que, entrou em contato com a Diretoria do Sinpol e ajustou que as prisões em flagrante serão recebidas e formalizadas normalmente durante a paralisação, assim como o atendimento às vítimas de violência doméstica.
 
Foi marcada uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE) para às 14h desta segunda-feira (17/10), no Complexo da PCDF, onde policiais civis farão uma manifestação contra o diretor-geral da PCDF, Eric Seba. O motivo é a suspensão por parte do diretor da medida que havia restringido o horário de funcionamento das delegacias. De acordo com os policiais, a atitude foi tomada mesmo sem garantir o efetivo necessário para a reabertura de delegacias em sistema de plantão.
  

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
leonardo
leonardo - 17 de Outubro às 22:52
odo trabalhador, seja na iniciativa priva ou pública tem direito a revindicar aumento salarial, se fosse assim juízes não teriam aumento!!
 
marcio
marcio - 17 de Outubro às 20:28
, a federal tem o dobro de policiais p atender o país inteiro eles com a metade precisam dar conta de atender o DF, essa greve deles quase não se nota
 
helio
helio - 17 de Outubro às 18:26
Se não estão satisfeitos com o seu salário, faça outro concurso e deixe a pcdf.
 
Cleusa
Cleusa - 17 de Outubro às 16:08
O Governador RR está vendido ou refém dos militares. Não é possível, não é justo que só eles recebam aumento dentro do GDF. Ou pague a todos ou não pague a ninguém.
 
Cleusa
Cleusa - 17 de Outubro às 16:05
O GDF declarou que pagou o aumento do auxilio moradia e o auxilio fardamento (valores que chegam até a R$6.500 para oficiais) para PMs e CBs pois o dinheiro vem do Fundo. A Civil tbem recebe pelo FC e tbem deve receber.
 
Maria
Maria - 17 de Outubro às 13:54
A segurança da população deveria estar entre as prioridades de qualquer governo. Deixar a Polícia Civil parar é tornar ainda mais difícil o que já está insustentável, a bandidagem deita e rola.
 
filomena
filomena - 17 de Outubro às 12:34
O governador precisa cortar o ponto desses vagabundos ! eles nao querem trabalhar so querem aumentar salario que ja' bastante alto em comparacao com os dos outros.
 
mauro
mauro - 17 de Outubro às 19:24
Vagabunda é vc. Vadia.
 
leonardo
leonardo - 17 de Outubro às 12:51
Todo trabalhador seja na esfera privada ou pública tem o direito de pleitear aumento de salários, se fosse assim, juízes que tem o salário alto não poderiam ter aumento salarial
 
Marcus
Marcus - 17 de Outubro às 10:01
Só prejudica a população.O GDF,não tem dinheiro para aumento de salário.
 
Cleusa
Cleusa - 17 de Outubro às 16:10
Mas aumentou Auxilio Moradia e pagou Auxilio Fardamento para os militares de uma vez só.

publicidade