SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Polícia abre portão alternativo do DPE para garantir saída de rabecão

A Polícia Civil confirmou que quem impedir a realização de serviço essencial responderá nas formas da lei. No entanto, o presidente do Sinpol, Rodrigo Franco, permaneceu com a posição e informou que também há piquete no portão que dá acesso ao Parque da Cidade para impedir a saída dos carros

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/10/2016 14:08 / atualizado em 20/10/2016 14:17

Isa Stacciarini

Para tentar minimizar os impactos do piquete que policiais civis fazem em frente ao Complexo da Polícia Civil desde a manhã desta quinta-feira (20/10), foi aberto o portão do Departamento de Polícia Especializada (DPE) que dá acesso ao Parque da Cidade para garantir a saída dos carros do rabecão do Instituto de Medicina Legal (IML). A informação é da Divisão de Comunicação da Polícia Civil (Divicom). O órgão confirmou que a medida é para garantir o recolhimento dos corpos em regiões administrativas do Distrito Federal e hospitais.

A Polícia Civil confirmou que quem impedir a realização de serviço essencial responderá nas formas da lei, mas o presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Distrito Federal (Sinpol-DF), Rodrigo Franco, manteve a posição. “Nós vamos continuar com o movimento e com a nossa cartilha de paralisação”, informou.
 
Franco também destacou que o movimento dos servidores na porta do Complexo da Polícia Civil tem garantido apenas a entrada de trabalhadores. “Não está saindo ninguém e estamos com o piquete nas duas portas, inclusive na que dá acesso ao Parque da Cidade”, confirmou. Segundo ele, o impedimento no recolhimento de corpos não ameaça a saúde pública. “Eles são levados aos hospitais que tem cama frigorífica. Amanhã (sexta-feira) o rabecão faz o recolhimento”, disse.
 
Policiais civis fazem uma assembleia a partir das 14h desta quinta-feira (20/10) em frente ao Complexo da Polícia Civil para decidirem os rumos do movimento. Na segunda-feira (17/10) eles fizeram o primeiro dia de paralisação da semana. Segundo o presidente do Sinpol, a categoria esteve reunida com o Governo do Distrito Federal (GDF) para tentarem um acordo. Os servidores reivindicam a manutenção da paridade do reajuste salarial com a Polícia Federal que conseguiu 37% de aumento. "Avisamos que teríamos assembleia hoje (quinta-feira), mas, até agora, nada de resposta (do governo)", lamentou Franco.
 
O Correio procurou a Secretaria da Casa Civil, Relações Institucionais e Sociais e aguarda resposta.
 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Elionay
Elionay - 20 de Outubro às 23:33
Esses marginais, que se aproveitam de um momento delicado para as familias que vão dar destino a um corpo de um ente querido, sempre prestaram um desserviço à sociedade. Querem ganhar como a PF, prestem concurso para a PF e vão fazer estágio probatório na amazônia, como os Policiais Federais. Argumento de que "sempre foi assim" não cola numa sociedade que busca a duras penas se livrar de velhos vícios, como favoritismos e corrupção. "Sempre foi assim", mas estamos ávidos por moralidade administrativa, e acabou a farra com o dinheiro da UNIÃO FEDERAL (fundo constitucional), um dinheiro recolhido dos contribuintes do brasil inteiro para sustentar os luxos de uma policia ineficiente que não conclui nem 5% dos inqueritos que abre.
 
Elionay
Elionay - 20 de Outubro às 23:33
Esses marginais, que se aproveitam de um momento delicado para as familias que vão dar destino a um corpo de um ente querido, sempre prestaram um desserviço à sociedade. Querem ganhar como a PF, prestem concurso para a PF e vão fazer estágio probatório na amazônia, como os Policiais Federais. Argumento de que "sempre foi assim" não cola numa sociedade que busca a duras penas se livrar de velhos vícios, como favoritismos e corrupção. "Sempre foi assim", mas estamos ávidos por moralidade administrativa, e acabou a farra com o dinheiro da UNIÃO FEDERAL (fundo constitucional), um dinheiro recolhido dos contribuintes do brasil inteiro para sustentar os luxos de uma policia ineficiente que não conclui nem 5% dos inqueritos que abre. VOCES JA GANHAM BEM DEMAIS PARA O POUCO QUE FAZEM PELA SOCIEDADE.
 
emerson
emerson - 20 de Outubro às 17:58
MPDFT e TJDFT, me diga que é esse cidadão (rodrigi franco) que impede a saída de rabecão pra buscar corpos. Já era pra ter tomadas medidas equivalente aos seus atos irresponsaveis.

publicidade