Nível da Barragem do Descoberto cai e chega a 25,95%

O índice é o menor registrado até agora e se aproxima do limite de cobrança da taxa extra na conta de água

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/10/2016 15:47 / atualizado em 20/10/2016 19:59

Helio Montferre/Esp. CB/D.A Press
 
Apesar de fortes, as chuvas registradas no Distrito Federal não foram suficientes para elevar o índice registrado nos reservatórios e a taxa extra não é mais uma realidade distante. O volume de água da unidade do Descoberto baixou ainda mais na tarde desta quinta-feira (20/10). O nível está em 25,95% e o de Santa Maria, em 43.47%, também menor que do registrado no fim da quarta-feira (19/10).
 
Segundo o Governo do Distrito Federal (GDF), quando qualquer um dos reservatórios alcançar o limite de 25% do volume útil será implantada Tarifa de Contingência, ou taxa extra, em cima da conta de luz, o que aumentará o valor da conta em 20%.
 
Leia mais notícias em Cidades

Segundo cálculos da Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb), 60% dos imóveis residenciais pagarão pelo acréscimo, pois, consomem mais de 10 mil litros de água por mês. Uma vez instituída, a cobrança vale até a edição de outra resolução da Agência Reguladora de Águas (Adasa) cessando a tarifa. O que significa que mesmo que o reservatório suba e saia dos 25%, a taxa continua valendo até a agência julgar necessário. Atualmente o DF consome 16 bilhões de litros mensais de água. A previsão da Adasa é que a tarifa de contingência gere uma economia mensal de 15%, ou seja, 2,4 bilhões de litros.

TIRA-DÚVIDAS
 
Quem vai pagar a tarifa de contingência?
Consumidores residenciais e comerciais que gastarem mais de 10 mil litros por mês.
 
Quando a tarifa vai ser cobrada?
A partir do momento que o reservatório do Descoberto chegar ao nível de 25% do volume.
 
Qual será o valor?
Contas acima de 10 mil litros terão acréscimo de 40% no valor cobrado pela água. Como a fatura é composta por água e esgoto, o impacto no preço final será de 20%.
 
Como vai vir na fatura?
O modelo será similar à cobrança das bandeiras tarifárias na energia elétrica. Ou seja, o consumidor vai saber quanto está pagando por consumir mais água. Porém, o valor será somado e pago no mesmo código de barras.
 
Quem tem isenção?
Consumidores que gastam menos de 10 mil litros de água por mês, hospitais, hemocentros, centros de diálise, pronto-socorro, asilos e presídios.
 
E os consumidores comerciais?
A tarifa comercial já é mais alta do que a residencial. Dessa forma, esse grupo pagará 20% a mais sobre o valor da água se consumir mais de 10 mil litros. Como a fatura é dividida com saneamento, o impacto na quantia final será de 10%.
 
Como a tarifa vai funcionar no caso dos condomínios sem hidrômetro?
Para composição da tarifa, a Caesb divide o consumo pela quantidade de unidades. Se o consumo por unidade for superior a 10 mil litros, o condomínio paga a tarifa.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
FERNANDO
FERNANDO - 24 de Outubro às 08:42
Onde está indo a água do córrego que passa pelo Guará e Bandeirante, e as nascentes que estão abandonadas, será que alguém poderia informar para população?
 
emerson
emerson - 20 de Outubro às 18:00
Choveu forte e não aumentou 0,000000001% em nada. Acho que estão de olho mesmo é na taxa de 20%