SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Grupo de percussão do DF viaja a Suécia para ensinar música a crianças

O repertório é composto por música popular brasileira e composições próprias, como Sweden, feita especialmente para o país

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.


Os pés batem no chão, as mãos vão ao peito, os lábios imitam o som de um cuíca e, aos poucos, a música toma conta do ambiente. O trabalho com o corpo é feito pelo grupo do Instituto Batucar, formado por crianças e jovens moradores do Recanto das Emas. Depois de 15 anos de estrada, sete integrantes embarcam para a Suécia hoje, a convite da Universidade de Örebro, cidade distante cerca de 160km de Estocolmo, para dar aulas de percussão corporal para 1.250 crianças, sendo 150 refugiadas da Síria. O repertório é composto por música popular brasileira e composições próprias, como Sweden, feita especialmente para o país.

A viagem será possível porque uma professora da Universidade de Örebro visitou Brasília no ano passado. Ela conheceu o projeto, encantou-se e voltou em 2016 a fim de convidar o grupo para levar o trabalho à Suécia, com todas as despesas pagas, durante 14 dias. “Passa um filme na minha cabeça. Lembro de toda a trajetória do instituto e fico extremamente feliz de levar cinco jovens de uma área de vulnerabilidade para trabalhar com crianças que estão na mesma situação, como os meninos sírios”, diz Ricardo Amorim, presidente do instituto. Ele também participará da iniciativa, ao lado da mulher, Patrícia Amorim, coordenadora e professora de percussão do Batucar.

 

Carlos Vieira/CB/D.A Press
 

 

O instituto atende cerca de 80 crianças e jovens do Recanto das Emas. Além das aulas de percussão corporal, há oficinas de teatro, dança e instrumentos musicais, ministradas duas vezes por semana. Toda sexta-feira há acompanhamento pedagógico para auxílio nos trabalhos escolares. Podem participar jovens de 6 a 17 anos, desde que apresentem declaração para comprovar que estão devidamente matriculados em colégio público ou privado. “Tudo não passa de uma grande brincadeira, mas com muito aprendizado. As crianças aprendem a ouvir e a conviver com outras. Queremos levar esse ensinamento para a Suécia”, conta Patrícia.

A viagem para a Suécia é uma oportunidade única para os batuqueiros. Nenhum deles sequer saiu do Brasil. Pedro Campos, 18 anos, participa do projeto desde os 10. Agora, tem a oportunidade de fazer a primeira viagem internacional.“Estou muito ansioso e com frio na barriga. Quero mostrar o nosso trabalho e dar o melhor. Quem sabe esse projeto não se amplia?”, questiona.

Alceu Avelar, 32, participava do Batucar desde pequeno, mas, aos 17 anos, parou os estudos e saiu do grupo para trabalhar como cobrador de ônibus e ajudar as despesas da família. Ricardo Amorim incentivou o jovem a voltar para a escola e ao instituto. Deu certo. Hoje, Alceu é graduado em administração e trabalha no próprio instituto, atuando na área de formação. Ele é um dos que embarcará para o país europeu. “A música representa uma ferramenta de realizações na minha vida, Nunca imaginei que conquistaria isso tudo”, afirma Alceu. “Ver o nosso trabalho reconhecido e a chance que os jovens estão recebendo é muito gratificante. Estamos colocando na mala todo o amor e carinho”, comemora Ricardo Amorim.

Projeto social
Em 2001, a Igreja Presbiteriana de Brasília teve a ideia de criar um projeto social para dar aulas de violão para crianças e jovens do Recanto das Emas. Entraram em contato com o professor de música Ricardo Amorim e, para a surpresa do educador, não havia nenhum instrumento para as aulas. A partir daí, o músico teve a ideia de usar o corpo como instrumento. A iniciativa deu certo, e o professor seguiu o projeto de forma independente. Até hoje o Batucar recebe doações da igreja e da sociedade.

Para doar
Quem quiser contribuir para o Instituto Batucar pode ligar para os telefones 3082-1014 e 99623-9675 ou enviar e-mail para batucadeiros@gmail.com.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Lara
Lara - 21 de Outubro às 20:48
Precisamos de mais histórias como essa. Espero que esse projeto se amplie e que o grupo tenha uma maravilhosa trajetória de sucesso e conquistas. Então Bra resa e framgang para vocês..

publicidade