SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Nível do principal reservatório de água que abastece o DF continua baixando

Na medição mais recente, realizada na manhã desta terça-feira (25/10), aponta 24,58%. Em função da estiagem, a Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb) anunciou nesta segunda-feira (24/10) medidas para diminuir o consumo de água

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/10/2016 11:00 / atualizado em 25/10/2016 11:11

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
 
O nível da Barragem do Rio Descoberto continua baixando. A medição mais recente, realizada na manhã desta terça-feira (25/10), aponta 24,58%. Em função da estiagem, a Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb) anunciou, nesta segunda-feira (24/10), medidas para diminuir o consumo de água.

 
A ideia da Caesb é, primeiro, deixar o consumidor ciente para, só então, iniciar a cobrança, que deve chegar nos boletos de novembro e dezembro.  O DF é a terceira unidade da Federação brasileira a apelar para a taxa de contingência devido à crise hídrica. São Paulo usou o recurso entre janeiro de 2015 e abril de 2016 e o Ceará faz a cobrança desde dezembro de 2015.

A situação de restrição de uso da água pode resultar em um racionamento nunca vivido na história da capital. A preocupação do governo é evitar que o DF precise entrar em estado de racionamento, como ocorreu com o estado de São Paulo no ano passado. Entretanto, a possibilidade está cada vez mais próxima. Tanto que o plano de contingenciamento de água, feito em conjunto entre a Adasa e a Caesb, está pronto, em fase de ajustes e passa a valer quando o reservatório do Descoberto ou de Santa Maria chegar ao índice de 20%

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Edison
Edison - 26 de Outubro às 11:42
Estão mais preocupados em embolsar do que planejar e executar obras para minimizar/solucionar problemas. Preferem esperar por São Pedro, enquanto isto buscam formas de enriquecer. Lamentável quadro da realidade brasileira.
 
andre
andre - 26 de Outubro às 08:03
Não agiram preventivamente porque não quiseram por que essa crise hídrica foi anunciada faz alguns anos com a crise em Minas e São Paulo. Incompetência? Morosidade? Falta de ação? Falta de planejamento?
 
Wilson
Wilson - 25 de Outubro às 18:18
A primeira chuva no DF recuperou um mínimo o nivels dos reservatórios. Após iniciaram as tratativas de racionamento ou sobretaxa. Curiosamente as chuvas subsequentes, embora mais fortes não mais elevaram os níveis dos reservatórios, deve ser a evaporação que ocorre no caminho.