SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

De olho em 2018: políticos do DF se preparam para as próximas eleições

Com o resultado das disputas municipais, políticos do DF avaliam cenários e recados do eleitorado para preparar discursos e alianças rumo ao Palácio do Buriti. Rollemberg espera mostrar realizações e adversários buscam alianças para derrotá-lo nas urnas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 31/10/2016 06:00

Ana Paula Lisboa

André Violatti e Helio Montferre/Esp.CB/D.A Press, Daniel Ferreira, Marcelo Ferreira e Ed Alves/CB/D.A Press e TV Brasília/Reprodução


Os brasilienses não foram às urnas ontem, mas os políticos da capital federal estão de olho na votação municipal. Além do interesse partidário, a preocupação dos potenciais candidatos de Brasília é com a sinalização que o eleitorado brasileiro deu na votação. Os resultados do primeiro turno já mostraram uma tendência de rejeição da política, reforçada por grandes escândalos, como a Lava-Jato. A dois anos da disputa pelo Palácio do Buriti, esse é mais um elemento no intrincado xadrez da sucessão de Rodrigo Rollemberg. 

Nas últimas semanas, a movimentação nos bastidores se intensificou e grupos de oposição ao governador se articulam cada vez mais. A crise financeira e os atritos do governo com os sindicatos, que devem se agravar nas próximas semanas, também ajudam a inflamar ainda mais o jogo político no Distrito Federal.

Leia mais notícias em Cidades 

Muitos personagens estão hoje na disputa e há tentativas de aglutinar essas forças em torno de grupos menores, mas ainda há dúvidas sobre quantos chegarão a outubro de 2018 com condições de concorrer a um cargo majoritário. Apesar do momento delicado que enfrenta, sem dinheiro para pagar os reajustes salariais do funcionalismo público, Rollemberg espera se recuperar a partir de 2017. Ele aposta que poderá alavancar a popularidade com a entrega de obras em andamento, principalmente a urbanização de regiões carentes, como Sol Nascente. A equipe do governador também investe em projetos como a contratação de organizações sociais, para tentar mostrar resultados na saúde pública.

Na oposição, o nome mais citado é o do ex-vice-governador Tadeu Filippelli (PMDB). Assessor especial do presidente da República, Michel Temer, ele despacha do Palácio do Planalto, mas não descuida das articulações locais. O cargo no governo federal também dá visibilidade em negociações importantes para o DF, como as relacionadas ao Fundo Constitucional e ao reajuste da Polícia Civil. Na última segunda-feira, ele deixou o Palácio para conversar com integrantes da corporação que cobravam reajuste em um protesto na Esplanada dos Ministérios.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
José
José - 31 de Outubro às 11:46
De uma coisa eu tenho certeza, o Rollemberg não irá ganhar nem para sindico.
 
Sérgio
Sérgio - 31 de Outubro às 10:04
Desde as eleições de 2010 e 2014, muita coisa ocorreu na política do DF, e Frejat é o nome que mais vem crescendo. Único que não possui máculas, escândalos ou qualquer mancha em sua ilibada vida particular, política e profissional.
 
WILLIAM
WILLIAM - 31 de Outubro às 08:18
Taí, como mudar se, não temos opções! São sempre as mesmas figurinhas e todas elas já carimbadas negativamente. Estamos perdidos!!!

publicidade